quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Metrô SP suspende contrato de portas nas plataformas

Foto: Daniel Aveiro
Todo mundo que passa pela Estação Vila Matilde, da linha 3 - Vermelha, nota que existem portas plataformas. No entanto, elas ainda estão fora de funcionamento. Era previsto inicialmente para serem entregues em junho do ano passado. Devido ao atraso, o contrato com a empresa Trends Engenharia e Infraestrutura, para fornecimento das portas em 12 estações do trecho foi suspenso.


De acordo com a Companhia do Metrô, apesar das portas já estarem nas plataformas da Vila Matilde, a implantação não foi concluída "devido ao não cumprimento das atividades por parte da contratada".


Além de Vila Matilde, as estações Marechal Deodoro, República, Anhangabaú, Sé, Brás, Bresser-Mooca, Belém, Tatuapé, Carrão, Penha e Artur Alvim também devem ter as estruturas que servem, além de controlar melhor o fluxo de entrada e saídas dos usuários, já que inibe que certos maus educados empurrem os outros, ajudam na segurança, evitando que algum objeto ou alguém caia na via.


O valor total do contrato para as 12 estações é de R$ 71.447.002,16 e já foram pagos R$ 11.806.192,53, referentes a projetos de todas as estações e à instalação em Vila Matilde, disse o Metrô em nota. O fornecedor das portas, o consórcio Trends Poscon, foi multado em 9,99% do valor do contrato --pouco mais de R$ 7 milhões


Não existe um novo prazo, nem para que as portas da estação Vila Matilde comecem a funcionar, nem para instalação nas demais paradas.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Chuva em São Paulo = Metrô Lento


Em São Paulo, chuva é sinônimo de trânsito parado. Mesmo o Metrô que não pega trânsito é afetado com lentidão nos trens, já que as composições andam em velocidade reduzida. 


Segundo nota da companhia publicada em seu perfil no Facebook, a lentidão nos dias de chuva, e proposital para se ter maior segurança. Os trens circulam com velocidade reduzida para evitar o deslize em caso de frenagem. Com os trilhos molhados, existe menor aderência entre as rodas da composição e os trilhos, exigindo maior espaço para o trem frear. Esse problema não é exclusivo do nosso Metrô, mas comum a qualquer Metrô do mundo nessas situações.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Estações Luz e República da linha 4-Amarela vão ser entregues dia 15 de Setembro

As estações Luz e República, da linha 4 - amarela deverão ser entregues no próximo dia 15 de setembro, uma quinta feira. O Anúncio foi feito pelo governador do estado de São Paulo Geraldo Alckmin, em entrevista na terça feira (30) no Programa do Jô. O ramal também deve ter seu horário de operação estendido das 21h00 para a 0h00, e enfim operará aos finais de semana.


Com isso, a linha 4- amarela passa a ter 6 estações. A previsão é que 700 mil de pessoas usem a linha por dia. O Metrô espera com a abertura deste trecho, um alivio no eixo Consolação, Paraíso, Sé. 



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

CPTM demite operador responsável por colisão de trem na Barra Funda


A CPTM demitiu o operador que conduzia a composição que se chocou com outra no ultimo dia 12 Julho deste ano, na linha 7 - Rubi que liga Jundiaí até a estação da Luz. O trem bateu em outro que aguardava movimentação de um cargueiro na estação barra funda, o que leva a crer que a Companhia considerou a causa do acidente como falha humana.


O acidente que feriu 42 pessoas, foi entre um trem da série 7000 (um dos novos da empresa) e outro da série 1700. Não há informações se as composições já voltaram a circular.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Expansão da linha 5 - lilás pode ter as obras paralisadas


A extensão da Linha 5 - lilás que está em construção da estação Adolfo Pinheiros até a Chácara Klabin pode ter suas obras paralisadas. O MP recomendou ao Metrô de São Paulo para que sejam anulados os contratos de obra da linha, por vicio de ilegalidade. A promotoria deu 30 dias para que sejam tomadas as providências.


No ano passado a extensão em obras da linha que vai ligar o Capão Redondo até a Chácara klabin já teve seu processo de expansão paralisado por suspeitas de fraudes na licitação entre as empresas, após denúncia do Jornal Folha de São Paulo.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Prefeitura vai substituir ônibus por VLT em Maceió


A cidade de Maceió pode ganhar um novo VLT. A prefeitura quer tirar os ônibus da Avenida Fernandes Lima e dar lugar ao Veículo Leve sobre Trilhos. Segundo a proposta, o veículo fará um trajeto de 20 quilômetros, partindo na Praça Centenário à Central de Abastecimento, no Santos Dumont.


A ideia ousada e que vai transformar a maior artéria de trânsito da capital ainda não tem data para sair do papel, mas já foi apresentada ao Ministério das Cidades e pode entrar no rol de projetos do Programa de Aceleração do Crescimento da Mobilidade (PAC Mobilidade).


Se vingar, o VLT da Fernandes Lima vai beneficiar cerca de 3,5 milhões de passageiros todos os dias.


O projeto prevê a criação de 10 estações, nos dois sentidos, incluindo a Avenida Durval de Góes Monteiro. Com do VLT, o trajeto que hoje leva, em média, uma hora para ser percorrido, será feito em cerca de 15 minutos, já que projetos deste porte compreende em veículos segregados dos demais.


A construção do VLT resulta em um número reduzido de desapropriações necessárias para a implantação. Fator determinante que, além de dar tranquilidade aos proprietários e locatários dos imóveis em questão, vai gerar uma economia significativa aos cofres públicos, evitando que o Governo do Estado tenha que enfrentar embates jurídicos e pagar indenizações elevadas pelos imóveis localizados onde seria implantado o “ultrapassado” sistema Bus Rapid Transit – BRT, que exigiria pelo menos 1.300 desapropriações. O VLT não polui o meio ambiente.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Rumor: Trólebus de 15 metros para o Consórcio leste 4 estaria em fase final de acabamento

Foto: Marcos Elias
Segundo informações divulgadas hoje nas redes sociais, já está em fase de acabamento uma unidade do SCANIA K270, Piso baixo - trólebus nas dependências da CAIO, para a empresa Himalaia, do consórcio Leste 4. Trata-se de ônibus elétrico de 15 metros que a empresa adquiriu como protótipo para testar nas ruas de São Paulo, como nós adiantamos aqui. Será o primeiro desta proporção a rodar na capital. O controle de tração está a cargo da empresa Eletra, de São Bernardo do Campo.


O Novo trólebus de 15 metros deve chegar na GTA (Garagem do Tatuapé) em setembro.


Com a entrada deste novo veículo, ficam faltando 126 trólebus para o consórcio e a prefeitura cumprir a renovação de 70% da frota de ônibus elétrico na cidade.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Velocidade média de ônibus em corredor na Zona Norte não passa dos 12 km/h


A Zona Norte lidera em um ranking que nenhum passageiro gostaria de estar presente. A faixa exclusiva para ônibus nas avenidas Inajar de Souza e Rio Branco lideram como corredor mais lento na parte da manhã, com média de 11,5 km/h nos momentos mais críticos. No pico da tarde, a faixa exclusiva Pirituba, Lapa, Centro é campeã na lentidão dos corredores de ônibus, com uma média de velocidade de apenas 12km/h, no sentido bairro.


Mas em todo o resto da cidade não é muito diferente. Todos os veículos que trafegam pelas faixas exclusivas desempenham uma média de 15 a 20 km/h em velocidade. Já imaginou os ônibus que andam pelas faixas comuns?


A SPtrans sempre diz que está implantando ações para aumentar a velocidade dos ônibus, no entanto, não se vê uma redistribuição de linhas, para o uso mais lógicos destas faixas que são muito importantes para o transporte de média capacidade. Corredores segregados são quase inexistentes, ou seja, as faixas exclusivas são passiveis de motoristas "espertinhos" que invadem o corredor. Sem contar os taxis....


Enquanto na terceira maior cidade do mundo, o transporte por ônibus for pensado desta maneira, a prefeitura vai sempre correr atras do rabo.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

SP quer elevar investimentos em PPPs em R$ 25 bi, para acelerar expansão do Metrô


O governador Geraldo Alckmin deve assinar nesta terça feira (30) um decreto que regulamenta a apresentação de propostas e estudos para projetos de Parcerias Público-Privadas (PPP). O texto do decreto é considerado inovador por especialistas, porque permite ao setor privado apresentar propostas antes que o governo estadual manifeste quais são seus projetos prioritários.


Segundo publicação da Revista Exame, o governo quer ampliar, até o fim do mandato de Alckmin, os investimentos em R$ 25 bilhões por meio de recursos captados via PPP. O vice-governador Guilherme Afif Domingos (PSD) diz que a regulamentação permitirá ao Estado utilizar melhor o limite ainda disponível para captação via PPP. Atualmente, diz, São Paulo usa apenas 5,8% desse limite. Afif elenca uma série de áreas, consideradas prioritárias pelo governo estadual, como transporte metropolitano, obras de infraestrutura logística e interligação, recursos hídricos e administração penitenciária, além de hospitais e escolas.


O governo estadual, diz Afif, espera receber, dentro da nova regulamentação, propostas de forma "ampla, geral e irrestrita". O novo decreto permite que empresas ou pessoas físicas apresentem propostas e estudos de interesse público e que possam dar origem a PPPs. Hoje, as propostas do setor privado são apresentadas somente como resposta a consultas públicas ou aos editais de licitação.


A vantagem para o governo estadual é reduzir para o poder público os custos com pesquisas e estudos necessários para identificar oportunidades e para viabilizar a apresentação de projetos de PPP. "Muitas vezes o Estado não tem quadro técnico suficiente para realizar os estudos e, por isso, precisamos contratar esse serviço, o que já determina uma primeira licitação antes mesmo da apresentação do projeto de PPP", diz Afif.


Com a nova regulamentação e por meio da apresentação ao Estado de uma Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada (MIP), são os investidores interessados que passarão a levar ao governo estadual suas propostas, depois de terem feito estudos e análises preliminares.


O decreto prevê que a proposta passará por análise técnica, inclusive do Conselho Gestor de PPPs do Estado. Se aprovada, a manifestação de interesse dará origem a uma proposta preliminar de PPP que será publicada. Nessa fase, outros investidores interessados podem apresentar novos estudos e suas próprias propostas para a mesma obra. A proposta vencedora deverá receber o ressarcimento do custo de elaboração do projeto. Se houver a elaboração de um projeto final de PPP com o uso de duas ou mais propostas diferentes, haverá o ressarcimento proporcional dos custos. A manifestação de interesse deverá conter dados como linhas básicas do projeto, estimativa de investimentos, características do modelo do negócio e projeção da contrapartida do Estado.


Afif diz que a nova regulamentação permitirá atrair investimentos num momento de alta liquidez internacional. Segundo ele, o governo estadual já chegou a receber propostas de investidores para novas linhas de metrô e monotrilho. O vice-governador acredita que o novo regulamento poderá acelerar em 50% a velocidade de entrega de linhas de metrô, trem e monotrilho.


Para a advogada Lisiane Pace, do escritório Machado Associados, a regulamentação paulista é inovadora ao permitir a apresentação de propostas do setor privado "com vistas à inclusão de projetos no programa de PPP". O decreto de São Paulo, diz ela, permite uma mobilidade muito maior. No governo federal, o setor privado somente faz propostas após uma manifestação formal de PPPs que já estejam definidas como prioritárias.


O decreto paulista, diz a advogada Rosoléa Folgosi, do escritório Mattos Filho, permite a participação da iniciativa privada numa etapa anterior ao que acontece na esfera federal. "É um procedimento que aproveita o conhecimento e as ideias inovadoras do setor privado."


Com as informações de Exame

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Linha 3 - Vermelha do Metrô fica com velocidade reduzida após cachorro cair nos trilhos


A Linha 3-Vermelha do Metrô está desenergizada no início da tarde desta segunda-feira, 29, para a retirada de um cachorro da via. Até as 13h33 o problema afetava a circulação de trens no trecho entre Corinthians - Itaquera e Penha.


Segundo o Metrô, as composições não puderam circular entre 12h16 e 12h21 nas proximidades do trecho afetado. Equipes da companhia estiveram no local para resgatar o animal. Os passageiros foram informados do problema pelo sistema de som das estações e dos trens.


Agora as 13h35, quando fiz esta postagem, permanece o aviso no site do Metrô que a linha está com velocidade reduzida.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Estudos do Ferroanel podem começar em 2012


O Governo do estado de São Paulo incluiu o ferroanel, entre os projetos na área de transportes que devem receber um total de R$31,6 bilhões em investimentos previstos no Plano Plurianual, que prevê as principais metas e programas pelos próximos 5 anos.


Os estudos sobre a criação da ferrovia pode começar em 2012 e, a partir daí, estimar os prazos para sua implementação.


Serão 211 quilômetros de trilhos, com o custo estimado de R$3,65 bilhões. O Ferroanel terá duas partes, os chamados tramos Norte e Sul. A prioridade de construção também será definida no estudo que começa em no ano que vêm.


O objetivo é promover a intermodalidade no transporte de cargas no Estado e, com isso, reduzir custos logísticos. Além disso, o Ferroanel deve ajudar a reduzir os congestionamentos rodoviário nos acessos à região Metropolitana. Sem falar que atualmente os trens de carga compartilham vias com as composições da CPTM.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Metrô já registrou 26 mil mensagens do SMS-Denúncia

O Metrô de São Paulo, que recentemente bateu recorde de 4 milhões de usuário em apenas um dia, disponibiliza um serviço de denúncias via torpedo. O chamado SMS-Denúncia foi criado em 26 de janeiro. Até o último dia 22 de agosto, foram registradas 26.503 mensagens de celular. São cerca de125 SMS por dia.


Segundo nota do Metrô, o serviço ganhou força desde sua criação no inicio do ano, por exemplo em fevereiro, foi computado 2.914 torpedos. Já em julho, foram 4.865, que representa um aumento de 66%.


Segundo dados da companhia, as denúncias por parte dos usuários variam bastante, mas algumas delas se repetem com maior frequência: 16% dos SMS referem-se a comércio irregular, 13% relatam presença de pedintes, 10% informam comportamento inadequado nas estações e trens (como pés no banco, bagunça e exagero no namoro) e 7% reclamam do volume alto em aparelhos sonoros.


De acordo com o Metrô, o objetivo da iniciativa é facilitar a comunicação entre quem usa o sistema metroviário e a equipe de segurança, um modo de estimular a colaboração no combate a condutas ilícitas ou que possam perturbar terceiros.


Para usar o serviço, basta mandar uma mensagem de texto para o número (11) 7333-2252. É muito importante as características do infrator, a linha em que se encontra, o número do carro, em qual sentido está o trem e a próxima estação. O serviço funciona 24 horas por dia e garante anonimato.


Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Estação Vila Sonia poderá ficar para 2015


Prevista inicialmente para 2014, a ultima estação da Linha 4 - Amarela, poderá não ficar pronta a tempo da Copa do Mundo. Segundo o Secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, em entrevista a rádio Jovem Pan desta semana, o governo vai tentar ao máximo entregar a estação, que será integrada a um terminal de ônibus. Mas, Jurandir garantiu que as demais estações da segunda fase, estarão prontas dentro do prazo.


Nas próximas semanas Luz e República da linha 4 - amarela devem ser entregues.


Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Novas estações do Metrô possuem design moderno e sustentável. Mas, por que o uso de Lâmpadas Incandescentes?

Foto: Anderson Pires
As novas estações do Metrô são dotadas de design modernos, que impressionam todos os passageiros que passam pelo local, até mesmo aqueles mais apressados. Chama a atenção também os tetos de vidro para a valorização da luz natural, que visa a economia de energia, como na Estação Vila Prudente, Alto de Ipiranga, Pinheiros e Butantã.


No entanto, nosso leitor Anderson Pires, levantou uma questão importante que vai na contra-mão da nova arquitetura das edificações: Utilização de lâmpadas incandescentes nas estações Butantã e Pinheiros.


Sabe-se que as vantagens de uma lampada fluorescente são, a economia de energia (um lampada fluorescente de 20 wats ilumina o mesmo que uma incandescente de 60wats), possui uma iluminação mais próxima do natural e menor aquecimento do ambiente. 


Segundo nosso leitor, não é difícil observar que praticamente em todos os casos seu uso é desnecessário, bem como o uso em excesso das lâmpadas fluorescentes. "O embelezamento das estações não é justificativa para um gasto extra com ilimunação" afirmou Anderson.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Bicicleta é mais veloz que carro em congestionamentos


As bicicletas são mais eficientes que os carros em congestionamentos de grandes cidades como São Paulo, disse na manhã desta quinta-feira (25) a secretária de do Meio Ambiente da Cidade do México, Tanya Müller. A afirmação foi feita durante uma apresentação no Seminário RespirAr, promovido pela TV Globo e realizado no teatro da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.


Enquanto um carro trafega a 12 km/h em média nos horários de pico, a bicicleta anda a 16km/h. “Um trecho de 8 km que seria percorrido em 40 minutos por um automóvel acaba sendo feito em apenas 30 minutos de bicicleta”, disse.


O modelo de incentivo ao transporte sustentável utilizado na capital mexicana, que pode servir de exemplo para políticas relacionadas nas metrópoles brasileiras, foi apresentado durante o evento. Além de ser mais eficaz quando há tráfego lento, a bicicleta não polui e melhora a saúde de seu usuário, já que é um exercício físico.


Para isso, porém, é preciso algumas alterações nas vias. Na Cidade do México foram criadas ciclovias, cicloestacionamentos e o programa Ecobici – a pessoa pode alugar diariamente uma bicicleta para trafegar de um ponto a outro da cidade após pagar uma anuidade. Há atualmente 90 cicloestações no município.
São Paulo


Durante a abertura do seminário, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ressaltou as políticas de transporte que ajudam a combater a poluição do ar. “Investimento em metrô e trem é extremamente relevante. Todos os nossos esforços são para o transporte sobre trilhos”, ressaltou o governador.


Outras medidas que segundo Alckmin ajudaram a melhorar a qualidade do ar - principalmente na cidade de São Paulo - foram a ampliação do Rodoanel Mário Covas, que retira principalmente veículos de carga das ruas e avenidas paulistanas, a recuperação da Serra do Mar e a implantação de impostos sobre os combustíveis. “A taxa de ICMS sobre a gasolina, que é mais poluente, é de 25%, enquanto a de álcool fica em 12%. Com isso, o carro flex acabou se tornando um carro a álcool.”


Com as informações de G1 

Viaduto Estaiado será inaugurado no domingo, mas sem os trólebus

José Patrício/Agência Estado
Está previsto para este domingo (28) a inauguração do viaduto estaiado do Complexo Viário Padre Adelino, no Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo. A obra chamada de dom Luciano Mendes de Almeida, passa sobre a Avenida Salim Farah Maluf. Mas, o viaduto será inaugurado sem a linha de trólebus.


O Viaduto estaiado custou dos cofres públicos (nosso dinheiro) R$ 29,9 milhões, valor este que prevê a rede aérea dos trólebus instalada. Os braços de metal para segurar os cabos já estão sendo instalados para a passagem da linha 2101, que liga a Praça Silvio Romero, à Praça da Sé. 


De acordo com a Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras (Siurb), o outro viaduto, que liga as Ruas Catiguá e Engenheiro Balem, também será aberto. Este complexo viário foi construído para melhorar a fluidez no trânsito da Salim Farah Maluf, com a eliminação dos semáforos. As obras incluíram o alargamento do Viaduto Pires do Rio e a criação de alças de acesso.


A CET estima que 6,5 mil veículos circulem nos novos viadutos nos horários de pico.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Trem do Expresso Jundiaí percorrera distância em 180 Km/h. Governo prevê PPP para obra

TVGBR - Moderador CPTM
O expresso Jundiaí, anunciado ontem pelo Governo do Estado de São paulo, noticiado aqui no portal, deve percorrer a capital paulista a Jundiaí em apenas 25 minutos, em um total de 45 km. O edital de licitação deve sair em novembro. As obras  serão em dezembro de 2013. O Estado prevê tocar a obra por meio de uma PPP (Parceria Público-Privada). 


O governador Geraldo Alckmin disse que ainda não é possível saber os custos e nem o trajeto exato do expresso Jundiaí. 


“O edital da PPP vai ser lançado em 2012. Então, vamos ter prudência e falar em três anos para a construção do expresso. No entanto, a gente vai ter os números de custos de equipamento e ferrovia somente na elaboração do projeto executivo”, contou Alckmin. 


O projeto prevê que o trem tenha a velocidade 180km/h, e deverá sair da região do Parque da Água Branca, na Zona Oeste de São Paulo. 



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Obras do Expresso Jundiaí devem começar no final de 2013

Ricardo Guimarães | Diário da CPTM
O Governo do Estado de São Paulo prevê os inícios das obras do Expresso Jundiaí, para final de 2013. O serviço de trem expresso que ligará o município de Jundiaí à capital paulista deve ter até setembro o projeto funcional finalizado, que está a cargo da CPTM. Isso permitirá publicar, até novembro, o edital de licitação para contratar os projetos básico, executivo e de estudos ambientais.


São 45 km de extensão e tempo de percurso estimado em 25 minutos. Os trens atenderão à demanda da população entre Jundiaí, importante polo regional, e a cidade de São Paulo, com um meio de transporte rápido, econômico e não poluente, em concorrência as linhas de ônibus intermunicipais semi-rodoviárias. 


Após conclusão do projeto funcional, serão darás as diretrizes de traçado, valores estimados para o empreendimento, a localização das estações, a inserção urbana da linha e avaliação ambiental preliminar que subsidiarão a contratação dos projetos de engenharia (básicos e executivos), o estudo preliminar de modelagem e outros itens para sua implantação, que poderá ser na modalidade PPP (Parceria Publico Privado).


É desconhecido qual será o valor da passagem, no entanto o Expresso Jundiaí deverá ser competitivo não somente do ponto de vista econômico, mas principalmente por apresentar redução do tempo de viagem, segurança, confiabilidade e conforto, atraindo usuários do sistema de transporte coletivo sobre pneus e automóveis.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Queremos expandir o sistema, diz presidente do Consórcio Leste 4

Imagem: Marcos Elias
Segundo declarações de André Martins Lissandre, presidente do Consórcio Leste 4, a Himalaia, empresa que opera os trólebus na cidade de São Paulo, têm um contrato para 150 novos trólebus. 2 novos devem ser incorporados a frota até o começo do mês que vêm, um deles noticiado no Via Trolebus. Existem rumores que o outro poderá ser um trólebus de 15 metros.


A afirmação de Lissandre foi dada ao Jornal da Tarde desta terça feira, sobre as medidas que a prefeitura está tomando para reduzir as penas do sistema trólebus. A declaração foi dada em cima da informação de que a SPtrans estudo a reativação do ramal da Casa Verde, onde o presidente do Consórcio diz que têm interesses em opera-lo com ônibus elétrico.


Lissandre disse ainda que se "precisar, compraremos até mais" que os 140 previstos. " A ideia é expandir" finalizou. No entanto a empresa não cumpriu o cronograma previsto em edital, onde contem a clausula de compra de 140 novos trólebus até 2010, mas apenas 12 chegaram. A SPtrans já multou o Consórcio em 6 milhões de reais por não ter cumprido o contrato, segundo publicação da Revista Tecnnobus. 


Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Prefeitura de SP quer reduzir em 40% as panes nos trólebus


A Prefeitura pretende reduzir em 40% o tempo que os ônibus elétricos ficam parados a cada vez que os cabos que alimentam os trólebus se rompem. Atualmente, a manutenção demora uma média de duas horas e meia, toda vez que há esse tipo de ocorrência. A meta é reduzir esse tempo para uma hora e meia, e assim reduzir os transtornos que os trólebus causam.


Para isto a SPTrans, por meio de uma licitação, deve contratar uma empresa que vai cuidar da manutenção da rede. Um Centro de Controle Operacional (CCO), será criado para monitorar, em tempo real, a situação dos cabos que alimentam os quase 200 trólebus restantes em São Paulo. O CCO será montado e operado em um prédio tombado na Avenida Celso Garcia, no Brás, região central, ao lado da antiga garagem de trólebus do Brás. Ficará a cargo da empresa vencedora da licitação, a troca de 162,5 quilômetros de rede aérea. O contrato, no valor de até R$ 108 milhões, deve ser assinado nos próximos meses. Segundo publicação do Estadão, só o CCO custará R$ 1,2 milhão, bancados por recursos de multas aplicadas a veículos que não fizeram a inspeção ambiental.


Segundo ainda reportagem, as falhas no sistema de trólebus já chegaram a ser investigadas pelo Ministério Público (MP). Em 2010, os promotores divulgaram estudo mostrando que a rede de trólebus tinha cerca de sete quedas por dia.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Linha 2 - Verde do metrô bate novo recorde

A linha 2 - Verde do Metrô, que liga a Vila Madalena a Vila Prudente bateu novo recorde. No ultimo dia 19 foram 645.036 passageiros transportados. Segundo o secretário de transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, em entrevista concedida ontem á rádio Jovem Pan, boa parte deste número é em função das novas integrações na linha, em Tamanduateí, com a linha 10 - Turquesa da CPTM, que atende o ABC, e em Consolação, que liga a linha 4 - Amarela, que por sua vez atende aos bairros distantes da Zona Sul e também a cidade de Osasco, através da integração com a linha 9 - Esmeralda da CPTM.


O secretario explicou com no mês que vêm com a inauguração do trecho da linha 4 - amarela, entre Paulista e Luz, passando por República, este fluxo na linha 2 - Verde tende a diminuir, já que muitos usuários que vêm das zonas norte e leste não vão precisar mais da linha da Paulista, e vão migrar para a linha 4 - amarela.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Pontos de Ônibus em SP não trazem informações úteis aos passageiros


É muito comum na cidade de São Paulo, se ver um festival de pontos de ônibus sem que as paradas respeitem alguma padronização. Os modelos de pontos vão desde abrigos com design diferenciado como na Avenida Rebouças, até um pedaço de madeira pintado. É inexistente informações úteis aos passageiros, como quais linhas passam pelo local, qual a frequência, ou até mesmo se a linha passa naquele dia ou horário. Algumas parada são dotadas de PMV's (Painéis de Mensagens Variadas) no entanto não informam corretamente quais são as próximas linhas que vão passar no local.


Enquanto isso, o paulistano tem que recorrer a um morador da região, a informação que o poder público, através da SPtrans, deveria informar, afinal pagamos uma passagem não tão barata né? 



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Portas Plataformas na linha 3 - vermelha podem demorar, diz Metrô

Presentes em todas as novas estações do Metrô em São Paulo, as Portas de Plataformas são uma das inovações que chamam a atenção de todos que passam pelo local. O equipamento oferece mais segurança ao passageiro, uma vez que as composições quase sempre chegam a toda velocidade nas plataformas. Elas estão presentes em todas as estações da linha 4 - Amarela, e 3 estações da linha 2 - Verde (Sacomã, Tamanduateí e Vila Prudente), em uma estação da linha 3 - Vermelha, a Vila Matilde, que ainda aguarda a instalação do novo sistema de controle de trens, o CBTC, para uso do dispositivo.


A companhia pretende levar o modelo para todas as estações do sistema, sejam as novas linhas, ou as antigas. No entanto, segundo publicação do site da Band, o Metrô alega que a empresa que venceu a licitação passa por dificuldades financeiras e, por isso, corre o sério risco de quebra de contrato.


Logo após sua entrada a secretária de transportes metropolitanos, Jurandir Fernandes chegou a dizer em entrevistas que os equipamentos não deveriam ter tanta prioridade nas estações antigas. Apenas nas novas, como a linha 4 que opera por sistema de driverless, ou seja, sem condutor. O sistema não teria como identificar o que ou quem caiu na linha...



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Continua o teste de trólebus entre Diadema e Jabaquara


Quem passa no trecho entre Piraporinha e Jabaquara, do corredor Metropolitano de ônibus, já pode cruzar com trólebus que estão em treinamento dos motoristas. Hoje foi flagrado no Terminal Diadema, o veículo 7201 da empresa Metra. Segundo informações do nosso colaborador Wagner, o veículo esteve hoje no terminal por volta do meia dia . No próximo mês os trólebus vão rodar até o Jabaquara.


De acordo com a EMTU, a previsão para colocação da rede de trólebus também no trecho entre Diadema e o Brooklin, é para 2012, no entanto o próprio secretário de transportes, Jurandir Fernandes já sinalizou que não está nos planos da administração a colocação dos cabos. 


Os ônibus elétricos são ideais para vias segregadas, já que possuem aceleração constante, não utilizam marchas, e não poluem o meio ambiente. Quando trafegam em pavimento rígido (concreto) são minimizados as panes nos cabos e o escape das alavancas, muito conhecidas em São Paulo. O rendimento energético do trólebus é de 80% enquanto os veículos com motor a combustão fica em torno de 20%.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Metrô pode levar a Linha 4 até o Pari


O Governo do Estado parece que descartou planos de levar a linha 4 - amarela para as imediações do Campo de marte. Segundo informações da Agência Estado, é planejado o prolongamento da linha até o Pari, que representa uma estação.


Não existe previsão para o inicio das obras, mas é importante destacar que um túnel logo depois da Luz está pronto e será usado para manobras e estacionamento dos trens, e poderia ser incorporado ao traçado. 


A possibilidade de ter uma estação de metrô perto de casa anima Yara da Mata, secretária da Associação dos Moradores, Comerciantes e Amigos do Brás, Pari e Canindé. "Aqui a gente tem de ir até a Estação Brás ou a Tiradentes. Até lá, de ônibus, às vezes leva meia hora, porque o trânsito no bairro vive parado."


Informações não oficiais dizem que a estação Pari ficaria no antigo pátio da Rede Ferroviária Federal, onde hoje está a Feira da Madrugada, no final da Rua Oriente, no entanto o Metrô não informou se há algum ponto sondado para instalar a futura estação. Mas, sobre o traçado do prolongamento da Linha 4 até o Pari, a estatal divulgou que ele será definido "nos próximos meses", quando for elaborado o projeto funcional.


Segundo ainda a reportagem, no mapa de linhas do Metrô previstas para o futuro, a Estação Pari da Linha 4 aparece interligada à Linha 19-Celeste, que conectará a zona sul da capital ao Parque Cecap, em Guarulhos, na Região Metropolitana.


A outra ponta da Linha 4, que originalmente acabaria na Estação Vila Sônia, também deverá ser expandida. O estudo para a ampliação até Taboão da Serra, na Grande São Paulo, já se tornou promessa de governo, apesar de as cinco estações da segunda fase do ramal sequer terem sido entregues.







Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

domingo, 21 de agosto de 2011

Metra quer converter mais um ônibus em trólebus. Veículo foi trazido da Alemanha.

 Adamo Bazani | Blog Ponto de Ônibus
O serviço de trólebus está sendo ampliando no corredor Metropolitano São Mateus - Jabaquara, então é natural que a operadora Metra aumente a frota de ônibus elétrico. Mas, enquanto a empresa não adquiri novos veículos movido à tração elétrica, a saída é a conversão de veículos que rodavam com diesel comum e poluidor, para se tornarem novos ônibus elétricos que não agridem o meio ambiente.


Neste ano a empresa que opera o corredor Metropolitano, juntamente com a Eletra (que produz controle de tração para trólebus), converteu um ônibus Volvo B 10 M, com carroceria Busscar Urbanuss Pluss. O então trólebus recém convertido com prefixo 8150 começou a operar comercialmente no dia 04 de junho. 


Após os resultados positivos do projeto, a empresa importou um novo ônibus articulado alemão da empresa MAN, modelo denominado Lions City. Segundo o Blog Ponto de Ônibus, o veículo vai ser estudado e deve ser convertido em trólebus.




No blog do nosso parceiro Adamo Bazani, foi publica uma matéria que conta as inovações deste veículo alemão. Veja



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

sábado, 20 de agosto de 2011

Levy Fidelix, o do "aerotrem" comemora novas linhas de Monotrilhos


Quem não se lembra de Levy Fidelix? Se você não têm a menor ideia de quem seja este sujeito, na certa deve se lembrar da campanha eleitoral que o Presidente Nacional do PRTB fez à favor do aerotrem visando ocupar o cargo de prefeito da cidade de São Paulo. Mas, mesmo com as derrotas nas disputas eleitorais, Levy Fidelix, enfim tem o que comemorar. Já está em construção a primeira linha de monotrilho, que nada mais é que o aerotrem tão defendido por Levy. Segundo a Revista Veja, parece que, finalmente, o Governo do Estado enxergou as vantagens que o sistema tem em relação ao metrô, chamado por Fidelix de “buraco de tatu”.


Para o presidente do partido, o monotrem é a solução mais viável neste momento, o equipamento tem um custo de 180 milhões de reais por quilômetro construído contra os 320 milhões do metrô, ou seja, metade do valor. Fora a vantagem financeira, outro ponto de destaque é a rapidez na construção, nos próximos 2 anos, devem ser entregues os 20,9km do monotrem, parte destes km's que corresponde a linha 2 - Verde que no futuro vai ligar a Vila Prudente até Cidade Tiradentes, e parte na linha 17 - Ouro que vai ligar o Morumbi, o aeroporto de Congonhas a estação Jabaquara.



“O Brasil, assim como São Paulo, precisa de desenvolvimento, não se pode deixar parar pelo trânsito travado, hoje são mais de sete milhões de veículos na Capital, que fazem o paulistano sofrer, diariamente, com horas perdidas nas centenas de quilômetros de engarrafamentos, há alguns anos que venho alertando a população e os governos que a solução para esse caos é o monotrem”, Finaliza Levy Fidelix.


Fidelix até têm razão quando se refere que a solução para o trânsito é investir no transporte público. Mas erra feio quando compara o Monotrilho ao Metrô Convencional. Enquanto se estima que os Monotrilhos que estão sendo construídos carregam no máximo 40 mil pessoas por hora/sentido, os Metrôs podem carregar mais de 60 mil usuários por hora/sentido. O próprio Metrô justifica a escolha do modal nestes trechos justamente pela demanda menor que em algum trecho que precisasse dos trens subterrâneos. 



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Empresa apresenta VLT elétrico que dispensa rede aérea

Quando se fala em veículos elétricos, muitos urbanistas torcem o nariz para a questão da rede aérea. Os fios que alimentam os VLT's ou trólebus de certa maneira prejudicam a paisagem por onde estes modais trafegam, ainda que estes modais não causam a poluição do ar, esta que é nociva a nossa saúde. De acordo com publicação da Revista Ferroviária, a CAF, aquela mesma que está produzindo os trens novos da CPTM, e os do Metrô de SP que corresponde a frota H, vai apresentar durante uma feira do setor, um novo e revolucionário modelo de VLT batizado de ACR - Acumuladores de Carga Rápida - capaz de operar sem catenária, sem terceiro trilhos, sem alimentação pelo solo e sem baterias convencionais. O protótipo já opera em Sevilha e em Saragoça -possui um pantógrafo que só se eleva durante as paradas, para uma carga rápida de 20 segundos. A carga é feita em uma seção de catenária com o mesmo comprimento do VLT. Uma vez carregados, os acumuladores dão ao veículo autonomia de 1.400 metros, mais que suficiente para chegar à próxima estação e carregar de novo. Um sistema de recuperação de energia na frenagem complementa a alimentação dos motores de tração. O ACR foi desenvolvido pela Trainelec, empresa do grupo CAF, segundo reportagem.


No passado já foram construídos trólebus com esta tecnologia.


Por falar em VLT's elétricos sem redes aéreas, a Alstom ofereceu seu sistema APS (Alimentação Pelo Solo) que é utilizado em Bordeaux, para um sistema de VLT de Brasilia após vencer licitação. Na prática a alimentação do VLT seria feito pelos trilhos, sem oferecer risco para os pedestres. A licitação da infraestrutura foi no entanto cancelada em abril último pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal,  impedindo o fornecimento dos veículos. Uma nova licitação está sendo preparada e deverá ser lançada ainda no segundo semestre.


Assista o vídeo do ACR



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Consórcio Leste 4 deve receber novo trólebus nas próximas semanas


Já está em fase de instalação dos equipamentos o novo trólebus do Consórcio leste 4, o veículo número 4 1774. O ônibus foi flagrado nas dependências da Caio em semanas atrás. Trata-se de mais um protótipo para compra de mais veículos para o sistema de São Paulo. No entanto não há informações de quando os restantes 127 trólebus serão fabricados. Já foi testado um veículo similar a este em São Paulo, que tinha o prefixo 4 1900, mas o ônibus foi transferido para empresa Metra, que opera o corredor São Mateus - Jabaquara, com o novo prefixo 7401.


Trólebus de 15 metros


A empresa que fabrica controle de trações elétricas para ônibus, a Eletra de São Bernardo do Campo, já confirmou em seu website que vai produzir os equipamentos para um novo trólebus Caio de 15 metros, porem não há informação de qual sistema irá receber este veículo. 



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

4 milhões de pessoas em 1 dia no Metrô de SP


Nesta semana publicamos uma postagem sobre o novo recorde de passageiros. Só que este foi ainda maior, quando se contabilizou a linha 4 - amarela, que é operado pela ViaQuatro. O sistema metroviário bateu o número de 4 milhões de passageiros transportados diariamente. Na sexta-feira da semana passada, 4.150.447 pessoas usaram o sistema, um recorde histórico. Nos primeiros meses do ano, a média diária era de 3,7 milhões.


Quer mais? A previsão do governo do Estado é que a quantidade de usuários cresça ainda mais a partir do mês que vem, quando começam a funcionar as estações de integração República e Luz da Linha 4. O diretor de Operações do Metrô, Mário Fioratti Filho, em entrevista ao Estadão, disse que o grande volume registrado há uma semana ao Dia dos Pais. "Muito provavelmente, houve um movimento maior na região central em função do comércio", afirmou.


Além disso, segundo ele, a demanda voltou a crescer após as férias do meio do ano - quando o uso da rede naturalmente diminui -, período em que o sistema não sofreu todo o reflexo da ampliação do horário da Linha 4 até as 21h, no fim de junho. Antes, o ramal funcionava apenas até as 15h, o que não abrangia o horário de pico da tarde.


O recorde anterior ao de sexta-feira passada havia sido registrado no dia 8 de outubro de 2010, também uma sexta-feira, véspera do fim de semana prolongado do Dia da Criança. Na ocasião, segundo o Metrô, 3,91 milhões de passageiros foram transportados nas quatro linhas gerenciadas pelo Metrô (Linhas 1,2, 3 e 5).


Naquela época, a Linha 4-Amarela, com uma extensão menor do que a atual e operando só até o meio da tarde, transportava relativamente poucos usuários, não causando tanto impacto no restante da rede. Por isso, o número de passageiros não foi levado em conta.


Alguns trechos das linhas 1-Azul e 3-Vermelha chegam a ter oito pessoas por metro quadrado no interior dos trens nos horários de pico, limite considerado aceitável pelo próprio Metrô. Na Linha 2-Verde, entre as Estações Paraíso e Brigadeiro, em alguns momentos do dia a lotação é de 7,2 passageiros por metro quadrado.


Segundo o Metrô, a situação deve melhorar a partir do fim do ano na Linha 2, quando um novo sistema de sinalização e operação de trens, o CBTC, entrar em operação. Ele possibilitará um intervalo menor entre as composições, deixando as estações menos lotadas nas horas do rush. Essa inovação será levada para as Linhas 1 e 3 no segundo semestre de 2012.



Com as informações de Agência Estado

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Metrô começa a implantar novo sistema de recarga de bilhete, para redução das monstruosas filas


Cansado das grande filas e lentidão da recarga do bilhete único? A partir das 5h30 do próximo dia 23 (terça-feira), o metrô quer ampliar a oferta de postos de recarga. Ao todo, nas 62 estações do sistema metroviário, haverá aumento de pontos de 70 para 80, das máquinas de atendimento automático (de 23 para 182) e dos equipamentos de recarga automática de vale transporte (VT) e consulta de saldos (de 254 para 353), segundo a companhia.


O Metrô diz que com a mudança, o número de empresas responsáveis por esses serviços passa de um para quatro. Isso permitirá a ampliação dos canais de acesso para carga e recarga dos bilhetes, garantindo a melhoria da qualidade do serviço e, consequentemente, a redução de filas.


Já no início da transição, a partir de terça-feira (23), 25 estações terão novas cabines de atendimento assistido, que realizam carga e recarga do BU. São elas: Ana Rosa, Vila Mariana, Santa Cruz, Praça da Árvore, Saúde, São Judas, Tucuruvi, Parada Inglesa, Jardim São Paulo, Santana, Brigadeiro, Paraíso, Santos-Imigrantes, Alto do Ipiranga, Corinthians-Itaquera, Artur Alvim, Patriarca, Guilhermina-Esperança, Vila Matilde, Penha, Palmeiras-Barra Funda, Marechal Deodoro, Santa Cecília, República e Pedro II.


A empresa estima que para meados de setembro a instalação de novas cabines assistidas em mais 15 estações: Anhangabaú, Bresser-Mooca, Belém, Tatuapé, Carrão, Vila Madalena, Sumaré, Clínicas, Consolação, Trianon-Masp, Chácara Klabin, Butantã, Faria Lima, Pinheiros e Paulista. As demais estações têm instalação prevista a partir da segunda quinzena de setembro.


Mais atenção. Como nada é perfeito,  a empresa alerta que no início da transição, algumas estações do Metrô contarão apenas com máquinas de atendimento automático, onde é possível fazer somente a recarga do Bilhete Único. Essa recarga pode ser feita com cédulas ou cartão de débito. Haverá monitores para orientar os usuários na utilização desses equipamentos.


Nesse período, os usuários do sistema também terão a facilidade de recarregar seus cartões em endereços próximos às estações (esses locais serão informados em cartazes nas estações).


Esperamos que este novo sistema não saia tanto do ar, como o antigo.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Metrô bate novo recorde de passageiros transportados

Sandra Ferreira - Jovem Pan
O Metrô de São Paulo bateu um novo recorde de número de passageiros transportados. Em 12 de Agosto foram 3.956.498 pessoas transportadas pelos trens. Esse número abrange também as transferências vindas da CPTM e da linha 4 - amarela, está ultima que é operada pela iniciativa privada. O número de usuários que acessaram o sistema pelas estações do metrô é de 2.906.476 de pessoas. Estes dados são da própria companhia.


Todo este número crescente vêm causando mais superlotação, principalmente nas estações de integração. Segundo notícia da Jovem Pan desta quinta feira (18-08), a estação Paulista todos os dias apresenta um problema que prejudica a população, mas, até agora, as autoridades do setor não teriam conhecimento do que vem ocorrendo, assim escreveu o repórter Álvaro Alves de Faria. Segundo a matéria, as esteiras rolantes que ligam as linhas verde e amarela estão permanentemente desligadas nos horários de pico, fazendo com que os usuários do Metrô se amontoem. Sem querer justificar, mas já pensaram se o Metrô optasse por não desligar os equipamentos, o que aconteceria após as escadas ou esteira rolantes?


Em contra partida, o Governo promete pesados investimentos no setor, e quer deixar tudo preparado para São Paulo fechar a década com 200 km em linhas metroviárias.


O Metrô paga o preço pelo seu sucesso.





Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Um terço dos brasileiros leva mais de uma hora para chegar ao trabalho. Transporte Público é o mais utilizado, diz pesquisa

Se você detesta ficar horas preso no trânsito, saiba que não está sozinho, claro! Segundo pesquisa sobre locomoção urbana realizada pelo CNI/Ibope, divulgada nesta quarta-feira, 17, em municípios com mais de 100 mil habitantes, 32% levam mais de uma hora no trajeto entre a casa e o trabalho ou escola. Outros demoram até meia hora por dia em seu deslocamento, considerado ida, volta e tempo de espera, cerca de 43%. Mas em São Paulo, demorar meia hora para ir ao trabalho seria uma benção não?


Os dados da pesquisa mostraram aquilo que muitos urbanistas e especialistas de transportes sempre dizem. 61% dos brasileiros usam ou o ônibus, ou o Metrô ou o Trem para se deslocar, Entre os meios de transportes mais utilizados nesse trajeto está o ônibus, cerca de 34% da população. Na contra-mão o meio de transporte obteve a pior avaliação: cerca de um em cada quatro entrevistados consideram o serviço de ônibus "ruim" ou "péssimo".


A caminhada faz bem a saúde, mas muitos a fazem por falta de opção no transporte. Este meio de locomoção vem em segundo lugar com 24% da população. O automóvel da família representa apenas 16% nesse panorama, mesmo sendo o meio de transporte que mais recebe incentivo, seja por parte do Governo que se tratando em compras de carros, as prestações são a perder de vista com todos os incentivos fiscais, seja pela mentalidade do Brasileiro que ainda acha que na rua, o carro é o principal personagem. Entre os motoristas que não utilizam o transporte público, quase metade (44%) alegaram que não o fazem devido a falta de transporte ou a não disponibilidade nos horários de sua necessidade.




A pesquisa constatou que a falta de transporte é um problema maior nas pequenas cidades. Nas metrópoles, as principais razões pela não utilização do transporte coletivo são a falta de conforto (19%), o longo tempo de locomoção (16%) e o alto custo (16%). Ainda assim, metade dos moradores (49%) acreditam que o transporte público de sua cidade irá melhorar nos próximos três anos.



Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Metrô recebe mais uma composição reformada, a K24

Foto: Diego Silva - Blog Metrô em Foco
O Metrô de SP recebeu mais um trem reformado, o K24, que nada mais é que a antiga composição Cobrasma de numeração 324. O trem chegou no Pátio Belém nesta terça feira, e na quarta foi encaminhada para o patio Itaquera. O Metrô espera até 2014 reformar todos os 98 trens das linhas 1 - Azul e 3 - Vermelha. No futuro, depois que a companhia concluir a instalação do novo sistema de sinalização, o CBTC, as composições modernizadas vão poder operar nas 3 linhas assim como os 17 novos trens da frota H e os 15 novos que deve ter a licitação de compra iniciada no final do ano.


As composições reformadas possuem as mesmas características das novas, como ar condicionado, anúncios das estações através de gravações, letreiro digital, mapas dinâmicos, com exceção da largura das portas, que permanecem no padrão antigo, devido a estrutura dos antigos trens.


Já operam 2 composições reformadas, a K01 e K07. A empresa espera nas próximas semanas inserir na operação comercial mais 2 trens, o L-26 e L27.


A K24, assim como as outras da mesma série reformadas pela TTrans, foram enviadas para uma das empresas responsáveis pela reforma em 3 rios, no Rio de Janeiro. O Trem foi pela antiga ferrovia Central do Brasil. Veja algumas imagens da viajem do Cobrasma 310 (Futuro K10) pela ferrovia. As fotos são do portal Máfia CTC 










Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

Continua a instalação de rede de trólebus em Viaduto Estaiado


Mesmo sem a certeza real da volta da linha 2101 para a operação dos trólebus, a Eletropaulo continua instalando a rede aérea no viaduto estaiado da Rua Padre Adelino, no Tatuapé, já que no orçamento do viaduto é previsto a readequação da rede elétrica. Nos últimos dias foram instaladas os braços de sustentação dos "fios trolley". A linha que liga a Praça Silvio Romero até o centro da capital na Praça da Sé, roda desde 2008 com veículos à diesel. 


O fator obscuro é por conta da escolha dos veículos elétricos que vão rodar na linha, já que alguns trólebus da carroceria Marcopolo Torino GV foram encostados sob a justificativa da SPtrans de não terem mais condições de rodar. No entanto não foram substituídos por novos trólebus, como prevê o edital, este que diz bem claro que até 2010, a cidade deveria ter 140 novos trólebus, e não apenas 12 como roda atualmente.




Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Governo do Estado apostas suas fichas no transporte público de alta capacidade


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin apostas as fichas no transporte coletivo de alta capacidade. O plano de investimentos do governo de São Paulo para os próximo quatro anos e meio (até o final de 2015) prevê que 38% de todos os gastos da administração estadual sejam destinados para a área de Transportes (que, pela primeira vez, terá mais recursos do que a Segurança), preferencialmente para elevar de 70 para 100 quilômetros o tamanho da malha do Metrô na maior cidade do Brasil. 


“Dizem que governar é escolher. Então escolhemos o transporte coletivo de alta capacidade e qualidade”, afirmou o tucano sobre o chamado Plano Plurianual (PPA). Segundo o governador, o PPA prevê investimentos de R$ 118 bilhões em todas as áreas do governo. A Secretaria de Transportes responderá por R$ 45 bilhões dos investimentos, sendo que R$ 30 bilhões irão para obras no metrô e trem.


"Desde 1974, foram construídos 2 km de metrô por ano. Vamos passar para 8 km por ano, com possibilidade de aumentar para 12 km por ano depois”, disse o tucano, que planeja expandir o tamanho do metrô em 30 quilômetros até 2015 e deixar outros 95 km “em canteiro de obras”. Outra Meta do governo é transformar a CPTM em qualidade de Metrô.


O Governador lembra que investir em transporte público e melhorar a qualidade de vida para aqueles que utilizam o sistema.




Renato Lobo é Técnico em Transporte Sobre Pneus e Transito Urbano.