terça-feira, 31 de maio de 2011

Trólebus e Ônibus do corredor São Mateus - Jabaquara também aderem a greve

Os funcionários dos trólebus também ficarão paralisados a partir da madrugada de hoje, contudo o corpo diretor da Metra, que faz a operação do Corredor Metropolitano São Mateus/Jabaquara, ficará reunido durante toda a madrugada para tentar convencer os motoristas a não aderirem à greve.  A empresa já solicitou reforço no policiamento. Cerca de 250 mil pessoas utilizam o corredor ABD por dia.


Linha 10 - Turquesa



Os ferroviários da linha 10, que atende a regiãodo ABC, e da linha 7-Rubi (Luz-Francisco Morato) não entrarão em greve. Já as demais linhas aderiram à paralisação, contudo uma reunião com a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) já foi agendada para amanhã, ainda sem horário definido.




Com as informações de Diário do Grande ABC

CPTM em greve nesta quarta. Metrô adia decisão sobre greve

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana, que representa os funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), decidiu em assembléia nesta terça-feira (31) que a categoria entrará em greve a partir da 0h desta quarta-feira (1º). Segundo o vice-presidente do sindicato, Everson Craveiro, a paralisação deverá ter adesão de até 70% da categoria e vai atingir principalmente as linhas 8 (Julio Prestes - Itapevi) e 9 (Osasco- Grajaú).


O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinou que os funcionários da CPTM mantenham 90% da frota em operação no horário de pico. Segundo o diretor do sindicato, a operação parcial pode ser arriscada. "Vamos negociar com a empresa para ver como vamos fazer para atender a  essas questões. Trabalhar parcialmente nos coloca em risco", afirmou. Uma nova assembleia foi marcada para esta quarta-feira às 18h.


Procurada pelo G1, a CPTM informou que durante a reunião realizada no TRT apresentou nova proposta aos quatro sindicatos representantes da categoria. A CPTM ofereceu reajuste salarial de 3,07%, o que corresponde a 1,75% do IPC/Fipe deste período e 1,3% de aumento real.


Metrô


Já os funcionários do Metrô adiaram a discussão sobre o início ou não da greve. Em assembleia durante a noite desta terça-feira, a categoria ficou dividida. A categoria quer reajuste de 10,79%. O Metrô, por sua vez, apresentou proposta de aumento salarial de 8%. Uma nova reunião está prevista para acontecer às 18h30 desta quinta (2), novamente na sede do sindicato, na Zona Leste da capital paulista.


Com as informações de G1

Tribunal Reginal do Trabalho exige 90% da frota do Metrô em horário de pico, mesmo com a greve

Ainda que os metroviários mantenham a greve marcada para esta quarta-feira, 1º, pelo menos 90% da frota terá que ser mantida em circulação durante os horários de pico e 70% nos demais horários. A decisão foi tomada pelo Tribunal Regional do Trabalho na tarde desta terça-feira, 31, durante audiência realizada entre o Metrô e o Sindicato dos Metroviários, para tentar negociar a greve proposta pelos trabalhadores.


A audiência acabou sem acordo. Os metroviários farão uma assembleia às 18h30 desta terça-feira para definir os rumos da greve. O sindicato exige reajuste salarial de 10,79% e outros benefícios. Na tarde de hoje, o Metrô ofereceu reajuste salarial de 6,39% mais 1,3% de aumento real, o que significa um ganho de 7,77% sobre os salários atuais, além de outras concessões.


CPTM. Ainda na tarde desta terça-feira, o TRT realiza audiência sobre ação cautelar ajuizada pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), noticiando a paralisação dos trabalhadores representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo; Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil; Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana e Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo.


Até as 16h, essa audiência ainda não havia sido concluída.


Com as informações de Estadão

CPTM lança edital para estudos de trem regional

A CPTM lançou novamente, na última quinta-feira, 26, edital para estudos técnicos de traçado, viabilidade, operacional e ambiental para a implantação do serviço de trem regional entre São Paulo e Santos. A licitação para estudo do traçado São Paulo-Santos foi aberta em 31 de dezembro de 2010, mas no dia 5 de janeiro foi publicado seu adiamento por tempo indeterminado. A mudança no calendário se deu devido à necessidade de adequação ao decreto estadual 56.565, que alterou as regras para a aprovação e contratação de projetos básicos de obras e serviços de engenharia e arquitetura.


Em dezembro de 2010, a Secretária dos Transportes Metropolitanos lançou o estudo preliminar para restabelecimento de ligações ferroviárias regionais. Dois projetos foram avaliados para melhor atender a demanda entre São Paulo e Santos, estimada em 10 a 15 milhões de passageiros/ano. Estudou-se um projeto para a construção de um novo traçado, que implicaria na perfuração de túneis. Outro projeto prevê a utilização do antigo funicular da Serra do Mar com um novo sistema de cremalheira.  O modelo do trem para o percurso não está definido, mas estão sendo avaliadas tecnologias que permitam subir rampas de 7% e 8%  e circular no trecho de planalto e no litoral. A ideia é aproveitar ao máximo o que restou da antiga linha (sem utilização há mais de 50 anos), melhorando e reconstruindo trechos deteriorados.


Veja o estudo na íntegra no site da CPTM


Com as informações de Revista Ferroviária

Metroviário decidem se vão entrar em greve logo mais às 18h30

Metroviários devem decidir hoje em assembleia marcada para as 18h30 se os colaboradores vão entrar em greve ou não. Caso decidam aderir, a greve está marcada à partir da 0 hora desta quarta feira. e deve atingir cerca de 4 milhões de paulistanos que utilizam o sistema metroviário diariamente 


Os funcionários querem reajuste de 10,79%, mas a proposta da direção do Metrô é de 6,39%. O vice-presidente do sindicato dos metroviários, Sérgio Renato Magalhães diz que, em caso de greve, não há previsão para os trens operarem com percentual mínimo: “Se as linhas operam no limite com 100% dos funcionários, entendemos que seria uma irresponsabilidade deixá-las operando com menos que isso. Seria temerário”, diz Magalhães. Em maio do ano passado, os metroviários também ameaçaram uma greve, mas a paralisação foi cancelada após o Metrô oferecer alguns benefícios.


Também estão previstas, para manhã desta quarta feira paralisações na CPTM, que transporta 2,5 milhões de pessoas/dia. Caso ocorra a greve, o Metrô deve acionar um plano de emergência para minimizar transtornos que venham a ser causados pela greve, se é que é possível minimizar alguma coisa.


Você terá informações do andamento dessas negociações neste blog á noite.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Nota de falecimento

Aos amigos e conhecidos do Dr. Waldemar Correa Stiel, historiador e um dos fundadores da APMTC e membro ativo do Movimento Respira São Paulo, informamos o seu falecimento nesta tarde de domingo em São Paulo no INCOR. Dr. Waldemar será sepultado hoje, segunda feira, às 16h00 no Cemitério de Congonhas. O Historiador ficou conhecido ao publicar obras que contam a historia dos transportes públicos, e que hoje são referência ao setor: 


- História dos Transportes Coletivos em São Paulo (1978)
- História do Transporte Urbano do Brasil (1984)
- Ônibus: uma história do Transporte Coletivo e do Desenvolvimento (2001)


Doutor Waldemar vai deixar saudades e uma certeza para todos aqueles que trabalham e gostam da área de transportes: Não basta apenas gostar ou discutir sobre idéias, é preciso lutar pelo aquilo que se acredita.


Nosso sentimentos a familia

domingo, 29 de maio de 2011

Linha 8 da CPTM ganha mais 2 trens modernos

Nesta sexta feira começaram a rodar 2 trens modernos na linha 8 - Diamante, que liga a capital paulista, a cidade de Itapevi. São 2 composições da série 2070 entregues em 2008 que circulavam apenas na linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú). Nosso portal divulgou postagem dos testes dos trens na região da Barra Funda, veja.


O que tudo indica que a CPTM deve concentrar os trens produzidos pela empresa Caf (série 7000 e 7500) na linha 9, afim de facilitar na operação e na manutenção, além de ser uma forma de padronizar a frota na linha que é considerada a menina dos olhos da companhia. 


Mas, essas composições não devem permanecer por muito tempo rodando junto com as da série 5000. A linha 8 vai receber em breve o primeiro do lote de 36 trens da série 8000 .


Veja vídeo do Trem da série 2070 dando entrada na Estação barra Funda


Foto: Ricardo Guimarães do Blog Diário da CPTM

Expresso turístico da CPTM vai chegar até Campos do Jordão, Aparecida e São Roque

O Expresso Turístico é um projeto da CPTM para mostrar e divulgar a história das linhas e dos trens os quais impulsionaram a capital e as cidades que fazem parte da malha ferroviária paulista. O mais novo roteiro terá 207 km, e quase sete horas de duração só na ida, e irá ligar a estação da Luz, em São Paulo, a Campos do Jordão, na serra da Mantiqueira.


Quando implantado, o Trem da Montanha será a mais longa linha ferroviária de passageiros do Estado de São Paulo. A linha é uma das três que o governo do estado de São Paulo pretende implantar no projeto. As outras são o Trem dos Romeiros, para Aparecida (180 km de São Paulo), e o Trem do Vinho, para São Roque (66 km da capital).






Atualmente, o projeto já leva turistas ao entorno da Grande São Paulo em três linhas, o mais trajeto mais recente criado com destino à vila de Paranapiacaba (Santo André), a Jundiaí e a Mogi das Cruzes, todas com saídas da estação Luz. As três novos roteiros devem ser implantados ainda este ano, mas o de Campos do Jordão deve ser o mais complexo.


Compartilhando vias


Para sair do papel, o governo precisa de um acordo com a MRS, concessionária privada que opera a malha ferroviária no vale do Paraíba, só com transporte de trens cargueiros. Isso porque a linha da CPTM vai pouco além da Grande São Paulo e seria usada pelo Trem da Montanha até Itaquaquecetuba, de onde passaria à malha da MRS. Dali, o trajeto seguiria pelo vale do Paraíba, alternando cenários urbanos (como São José dos Campos) e bucólicos --antigas fazendas e várzeas do rio Paraíba do Sul. Em Pindamonhangaba, uma troca de veículos: em um pequeno trem elétrico semelhante a um bonde, é feita a subida da serra da Mantiqueira até o Capivari, centro da badalação da estância. A subida da serra --que já existe hoje-- é operada pela Estrada de Ferro Campos do Jordão, ex-empresa federal encampada pela Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos este ano.






Aparecida do Norte


O governo não sabe quanto vão custar as novas linhas. Porém, já sabe que os passeios a Campos do Jordão e Aparecida serão em semanas alternadas e sairão às sextas e o retornarão aos domingos. Hoje, as três linhas do Expresso Turístico saem de manhã e voltam a São Paulo no fim do dia. Em 165 viagens feitas desde 2009, transportaram 25 mil passageiros. O expresso é formado por uma locomotiva a diesel e dois carros de passageiros, fabricados nos anos 1950. 






Trens Regionais


O projeto Trens Regionais também quer levar a CPTM além dos limites da região metropolitana de São Paulo. A ideia é reativar o transporte regular de passageiros da capital para Sorocaba, Santos, Campinas e São José dos Campos.


Fonte: Folha e revisado por Renato Lobo-Via Trolebus

sábado, 28 de maio de 2011

"Pouco ou quase nada investiram na linha metroviária" diz Kassab

São Paulo será a sede na próxima semana da C40, uma reunião de cúpula com prefeitos e representantes de várias cidades do mundo para debater projetos e soluções ligados ao meio ambiente e às mudanças climáticas. Ao apresentar o evento hoje à imprensa e questionado sobre qual o maior problema ambiental da cidade, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, apontou a falta de mais linhas de metrô.


"São Paulo paga pelo descaso das últimas décadas dos nossos administradores, que pouco ou quase nada investiram na linha metroviária", disse Kassab, ressalvando que o governo estadual tem feito investimentos, mas cobrou aportes da União. "Faltam investimentos do governo federal, que não investe a fundo perdido, apenas financia. Portanto, São Paulo paga. Faltam investimentos a fundo perdido." Só que Kassab se esqueceu de que Metrô não é a única solução para a mobilidade. Corredores de ônibus e linhas estruturadas são vitais para o problema do trânsito, entretanto o prefeito investiu muito menos do que prometeu. 


Sem uma rede de metrô mais ampla, fica difícil convencer a população a deixar o carro em casa e contribuir para reduzir a poluição na cidade, já que mais veículos nas ruas representam mais emissões de gases causadores do efeito estufa. Kassab negou a intenção de restringir a circulação de carros por meio do pedágio urbano, assim como acontece em Londres, uma das cidades convidadas para a C40. "Londres usa o pedágio urbano porque as pessoas têm o metrô como opção (de transporte). Aqui, não tem essa alternativa e as pessoas já são penalizadas pelo rodízio (de veículos) e por uma carga tributária elevada," justificou o prefeito.


Fonte: Estadão e revisado por Via Trolebus

Metra converte Ônibus à diesel em Trólebus

Neste sábado, quem passou pelo ABC pode ver um novo trólebus articulado rodando em testes no corredor São Mateus - Jabaquara. Na verdade, não é tão novo assim. A operadora Metra juntamente com a empresa Eletra que fabrica trações elétricas para ônibus elétricos e hibridos converteram o veículo 8040 a diesel para trólebus, agora com a numeração 8150, e o que é melhor: Menos um ônibus à poluir o ar, fazendo jus ao nome Corredor Verde, apelido dado a via segregada. As imagens exclusivas, foram cedidas pelo nosso colaborador Samuel Tuzi, que ao acaso conseguiu fazer o registro.




Trólebus convertido
Veículo à diesel 8040 antes da conversão




sexta-feira, 27 de maio de 2011

CPTM testa trem da Alstom na linha 8

Enquanto os 36 trens da série 8000 não chegam na linha 8-Diamante, a CPTM remaneja composições de outras linhas para dar um reforço na operação, juntamente com os grandalhões e saudosos Fepasões (Série 5000). Hoje nosso colaborador Samuel Tuzi flagrou uma das composições da série 2070 na região da Barra Funda.






A CPTM não divulgou nenhuma nota oficial confirmando as transferências de trens da linha 9 para a 8 e nem se realmente estas composições vão operar na linha que liga a Estação Julio Prestes até a cidade de Itapevi.





Viações do ABC recebem nota baixa em avaliação da EMTU. Operadora de trólebus é bem avaliada.

Das dez concessionárias e permissionárias de ônibus que atuam em três regiões metropolitanas do estado de São Paulo – São Paulo, Campinas e Baixada Santista – que receberam as piores notas em uma pesquisa encomendada pela EMTU, oito atendem no ABC. De 0 a 10, essas oito viações receberam notas que variam de 2,33 a 4,83 do Índice de Qualidade do Transporte (IQT). O IQT foi divulgado nessa sexta-feira (27), em São Bernardo do Campo, no ABC.


O índice, que está em sua sétima edição, premia as melhores empresas de transporte. O indicador leva em conta a opinião dos usuários, as condições dos veículos frota, e as questões operacionais, como o cumprimento de horários. A vencedora do IQT 2010 foi a Metra, operadora do corredor de Trólebus do ABD. Para o presidente da EMTU, Joaquim Lopes, a idade média da frota do ABC é um dos fatores que contribuiu para que as empresas da região estivessem entre as que receberam as piores notas. Enquanto na capital a idade média da frota é, segundo ele, de 3,5 anos, no ABC os ônibus têm uma idade média de 7 anos: “A idade média da frota do ABC está mais alta que nas outras regiões. Mas a frota é apenas um indicador. Outro, por exemplo, é o indicador de operação, e isso é um problema de cidades conurbadas das regiões metropolitanas, como os atrasos. Com o aumento das frotas das cidades, nossos ônibus estão parados no meio dos congestionamentos”, explicou. “O contrato das permissionárias é de 1986 e já não dá conta de algumas nuances”, disse. Segundo Joaquim, esse contrato limita à EMTU a cobrança de melhorias. Além disso, as multas aplicadas em caso de descumprimento de cláusulas são mais baixas.


Metodologia


Segundo a EMTU, 39 permissionárias e concessionárias de linhas intermunicipais São Paulo foram avaliadas no IQT. Essas empresas operam cerca de 800 linhas com 5,4 mil ônibus, que transportam uma média de 55 milhões de passageiros por mês.


O IQT é formado por três índices – Índice de Qualidade Econômico-Financeira; Índice de Qualidade da Frota; e Índice de Qualidade Operacional.
Os ônibus são avaliados em dois momentos: nas garagens, quando são monitorados 439 itens, e no ponto de ônibus, onde se avalia o cumprimento de horário, a limpeza dos veículos, a situação dos assentos, placas de informação, etc.


Para avaliar a satisfação dos usuários, foram feitos 19600 questionários – 14500 apenas na região metropolitana de São Paulo. O atributo que melhor avançou, segundo os passageiros, foi a segurança nos pontos de ônibus. Por outro lado, o número de acidentes aumentou. Em São Paulo, foram 126 atropelamentos em 2010, ante 98 em 2009 – alta de 28,5. Já o número de acidentes com vítimas envolvendo ônibus subiu 14%, de 242 para 272. A EMTU já constituiu um grupo de trabalho para analisar os dados. O objetivo é fazer campanhas, bem como o treinamento dos motoristas.

Com as informações de G1

Bilhete metropolitano será aceito no Metrô e na CPTM, diz EMTU

O Bilhete de Ônibus Metropolitano (BOM), usado por passageiros de 39 municípios da região metropolitana de São Paulo, começará a ser aceito nas catracas do Metrô e da CPTM a partir do dia 27 de julho. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (27) pelo presidente da EMTU, Joaquim Lopes, em São Bernardo do Campo, no ABC.


O usuário, entretanto, não terá desconto de integração, como acontece na cidade de São Paulo com o Bilhete Único quando o passageiro utiliza ônibus e Metrô ou ônibus e trem. Segundo Lopes, para se definir um desconto na tarifa de integração é preciso que todos os municípios da região metropolitana entreguem à EMTU cálculos com seus gastos operacionais. “Estamos trabalhando com a data de 27 de julho para que o BOM possa acessar o Metrô e a CPTM”, disse Lopes.


Além disso, a EMTU precisa colher dados de quanto tempo o passageiro da Grande São Paulo gasta em seus deslocamentos. Isso para que seja dado um período para o benefício de integração. No município de São Paulo, por exemplo, a tarifa integrada com desconto usando o Bilhete Único tem duração de duas horas.


O presidente da EMTU ressaltou que, num primeiro momento, o uso do BOM nas catracas da CPTM e do Metrô trará facilidades para usuário. “[Para oferecer a tarifa de integração com desconto] São precisos cálculos operacionais. Estamos estudando o tempo médio de viagem dentro do sistema de transporte metropolitano”, disse Lopes.
Segundo ele, esse estudo será contratado em breve e os dados devem estar à disposição da EMTU até o final deste ano. A integração de tarifas depende também de convênios firmados com cada município da região metropolitana. Lopes evitou definir prazos de quando será dado desconto na integração de sistemas.


Com as informações do G1

Estudo mostra avaliação do metrô nas redes sociais

Um estudo realizado pela Miti Inteligência, que trabalha com monitoramento de mídias, analisou a infraestrutura de transportes no Brasil. Entre os dias 25 e 29 de março, a empresa monitorou 11.500 interações em redes, levando em consideração cinco palavras-chave: infraestrutura, porto, metrô, rodovia e aeroporto.


Do total de menções com as palavras feitas no período, 15% se referiam ao termo “metrô”.  Dentro dessa referência, 15,64% tinham conotação positiva, 19,55% tinham conotação negativa e 64,80% eram neutras. De acordo com a pesquisa, as menções ao metrô foram as que mais tiveram avaliações positivas, enquanto as rodovias foram as mais criticadas, com 56,03% de citações negativas.


A pesquisa segmentou as menções em categorias, de acordo com os temas envolvidos: uso, obras, lotação, notícia, check-in, citação, acidente e humor. Metrô foi a palavra que teve maior número de citações relacionadas ao uso (32,96%), e a inauguração da estação Butantã da linha 4, em São Paulo, foi uma das notícias que mais repercutiram sobre o tema no período analisado.


O levantamento também conseguiu detectar que Salvador foi um dos locais que originaram as citações mais negativas – na cidade, as obras para implantação do metrô iniciaram em 2000 e ainda não foram concluídas. Dos 12 quilômetros previstos, apenas seis foram construídos até o momento.


O Portal Via Trolebus está presente no Twitter e ultrapassou a marca de 3000 seguidores, e também no Facebook.


As redes monitoradas na pesquisa foram o Twitter, Facebook,Youtube,  blogs e fóruns de discussão. 


Com as informações de Revista Ferroviária

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Metroviários de SP decidem entrar em greve no dia 1º de junho

Os metroviários de São Paulo decidiram, em assembleia na noite desta quinta-feir, dia 26, entrar em greve a partir da 0h de quarta-feira dia 1º de Junho. A categoria se reuniu na sede do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, no Tatuapé. O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana, que representa funcionários da CPTM, também decidiu pela greve a partir do dia 1º.


Os metroviários reivindicam um reajuste de 10,79%, com base na inflação medida pelo IGP-M, e outros 13,8% de ganho de produtividade, conforme o ICV, do Dieese. Segundo a categoria, o Metrô ofereceu 6,39% de reajuste.
Segundo o presidente do sindicato, Altino de Melo, a categoria vai esperar uma nova manifestação da Companhia do Metropolitano até as 18h de terça-feira (31). A nova proposta será analisada na reunião marcada para as 18h30, quando os metroviários voltam a se reunir para organizar a mobilização. Ainda de acordo com Melo, se a Justiça determinar que pelo menos um terço dos funcionários continuem trabalhando, haverrá problemas para o funcionamento da rede. “Apenas 30% é inviável porque cria um caos no sistema. É necessário entender que o trabalhador tem direito de greve. Por isso, estamos dispostos a conversar com o Judiciário”, afirma. Os funcionários do Metrô vão continuar usando coletes de  mobilização e pretendem divulgar uma carta aberta à população da capital paulista informando sobre a greve. Segundo Melo, mais de mil pessoas participaram da assembleia desta quinta-feira.


Em nota, o Metrô informou que acionará o Plano de Apoio entre Empresas de Transporte frente a Situações de Emergência (Paese) para minimizar os transtornos causados aos 3,7 milhões de usuários e à população em geral caso a greve ocorra.
“A Companhia do Metrô preparou um esquema especial para garantir o acesso dos seus empregados aos postos de trabalho e alertou todos os funcionários sobre a responsabilidade de manter os serviços essenciais que atendam as necessidades inadiáveis da sociedade. Com o anúncio de greve, a SPTrans deverá readequar as linhas de ônibus para assegurar o transporte de passageiros ao Centro da cidade”, informa o texto.


O Metrô disse ainda que continuará negociando com os sindicatos e que considera “precipitado o anúncio de paralisação”.


Com as informações do G1

Ciclofaixa é ampliada e funcionará até 16h a partir deste domingo em SP

A Ciclofaixa de Lazer, via exclusiva que liga parques da Zona Sul e Oeste de São Paulo aos domingos, terá seu horário ampliado em duas horas a partir deste fim de semana, com funcionamento das 7h às 16h - antes, ela funcionava até as 14h. Também no domingo (29), um trecho de mais 7 km será inaugurado, indo até o futuro Parque do Chuvisco, no Campo Belo.


Atualmente, a ciclofaixa funciona entre os Parques Ibirapuera, das Bicicletas do Povo e Villa-Lobos – em um percurso de 15 km. Com os novos 7 km, a ligação passará a ter 22 km em cada sentido. A maior parte do novo trajeto passará pelas avenidas Engenheiro Luís Carlos Berrini e Jornalista Roberto Marinho, além da Avenida Chedid Jafet e da Rua Funchal.


Nas vias por onde passa a ciclofaixa a velocidade máxima dos veículos é reduzida de 60 km/h para 40 km/h quando ela está em funcionamento. O objetivo é aumentar a segurança dos ciclistas. No novo trecho, o estacionamento também é proibido em parte do trajeto e as conversões à esquerda serão desativadas durante o funcionamento da faixa.


Fonte: Agência Estado

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Metrô-SP testa nova sinalização de trens (CBTC) para reduzir intervalo entre composições

O Metrô de São Paulo está instalando o chamado CBTC (Communication Based Train Control), sistema de sinalização que controla a mobilidade dos trens, que é usado em metrôs do mundo todo. Afim de inserir mais composições nas linhas aumentando a oferta, o Metrô quer reduzir a distância de um trem para outro de 120 metros para 15 metros. A companhia está testando a tecnologia no novo trecho de 3,5 quilômetros do Sacomã à Vila Prudente, e pretende levar para toda a linha 2 até o final do ano, e para as linhas 1 e 3 até o final do ano que vem. 


Com isso deve melhorar a fluidez e redução nos intervalo entre os trens, na linha 3 por exemplo o tempo médio entre os trens será de 75 segundos. O primeiro carro passa a transmitir, eletronicamente, informações aos demais, como posição, distância, velocidade e tempos de percurso e de parada. O CBTC deve reduzir o intervalo de tempo entre trens em 20%. Na Linha 1-Azul poderá ser inseridos de seis a oito composições.






Este novo sistema permite também a operação dos trens sem condutor, conhecido como driverless. Hoje a linha 4 do Metrô já opera desta maneira, e a previsão é que todas as futuras linhas terão o CBTC. O driverless é extremamente seguro, pelo menos é o que dizem os fabricantes. São necessárias cerca de 3.500 horas (equivalente a 145 dias de uso ininterrupto) de rigorosos testes para se obter certificação internacional de segurança e colocar o sistema em funcionamento. Hoje, no mundo, a Siemens é líder absoluta com o fornecimento de mais de 10 linhas com esse conceito tecnológico, em países como Estados Unidos, França, Alemanha, Espanha e Hungria. O driverless está presente em alguns países há mais de 10 anos, onde o grau de exigência de segurança é alto e o sistema de transporte é eficiente. 

Trólebus voltará para Casa Verde, diz SPTrans

Foi realizado hoje na sede do Sindicato dos Engenheiros, no centro de São Paulo, um seminário promovido pelo Movimento Nossa São Paulo com o tema: O desafio do transporte público. Ônibus e Corredores. Estiveram presentes os representantes da SPtrans, do MPL, e do sindicato da empresas e dos motoristas e cobradores.


No final das palestras foi aberto ao público presente perguntas pertinentes ao assunto discutido. Dois integrantes do Movimento Respira São Paulo questionaram a atuação da SPtrans na questão do trólebus, já que o modal é o mais indicado para operações de vias segregadas. Gilberto Teixeira, representante da SPtrans, garantiu que a rede será totalmente modernizada após a contratação de uma empresa que deve cuidar da problemática malha elétrica, e citou o corredor das Avenidas Rio Branco/Marques de São Vicente que ligam o centro ao bairro da Casa Verde, que será recuperada e adequada para a operação dos trólebus. Desde 2005 os ônibus elétricos sumiram do trecho devido à reforma das paradas do corredor, e após a conclusão da obra os veículos não retornaram sobre o pretexto de que a empresa operadora da área, no caso a Sambaíba, não dispunha dessa tecnologia, mesmo com a rede e subestações instaladas prontas para o uso.

terça-feira, 24 de maio de 2011

Eletra vai produzir trólebus Articulado e de 15 metros

A empresa Eletra, que produz tração elétrica para trólebus divulgou recentemente na sua página a construção de 2 novos ônibus elétricos, um de 15 metros com chassi Scania e o outro articulado com chassi Mercedes, ambos encarroçado pela Caio/Induscar. Estes novos veículos terão o controle de tração Eletra com conjunto WEG (motor+inversor) iguais ao veículo 7400 em operação há cerca de 2 anos no corredor metropolitano do ABD operado pela Metra, que deve optar por esta tecnologia em todos os trólebus novos à serem adquiridos.


Mas, não foi divulgado para qual sistema serão esses 2 ônibus elétricos novos, já que ambos, do ABD ou de São Paulo precisam (devem) ou renovar a frota ou adquirir mais unidades.

EMTU adia licitação para escolher empresa que vai cuidar da rede de trólebus

Nesta segunda feira foi adiada a licitação da EMTU para escolher uma empresa para manutenção e operação da rede elétrica que alimenta o sistema trólebus no corredor metropolitano do ABD. No começo deste ano a EMTU publicou um edital de licitação para contratação de uma empresa para prestação de serviço de manutenção corretiva e preventiva da rede aérea do corredor. A sessão pública que aconteceria no dia 25 de maio, no entanto foi cancelada momentaneamente para avaliação do edital.

Atrasos

A promessa era de concluir a obra em setembro do ano passado. Segundo presidente da EMTU em entrevista ao Diário do Grande ABC, o atraso se deu por problemas burocráticos, encerrados em acordo com a Eletropaulo. os trólebus começaram a rodar efetivamente com passageiros em julho, substituindo parte da frota movida a combustão por ônibus elétricos, a médio prazo. Silva Júnior explicou que a chegada de mais trólebus não significa o término dos coletivos tradicionais, pois é preciso manter contingente para os casos de panes elétricas. Entretanto existem outras soluções para que os trólebus não parem diante de uma pane nos cabos: Trólebus com marcha autônoma.
Para evitar as faltas de energia, a EMTU vai lançar na primeira quinzena de junho a licitação para a repotencialização da energia no restante do corredor, entre Piraporinha e São Mateus, em São Paulo.
O presidente admitiu que o sistema está com a capacidade comprometida. "Está obsoleto. Se colocarmos todos os trólebus no corredor, cai a rede, porque não aguenta." A estimativa é de que repotencializar os 22 quilômetros do trecho custe R$ 37,5 milhões. 

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Notícia do Metrô na Mídia: Se discute política e se esquece benefícios para a população

Nesta quinta feira foi anunciado pelo Governo do Estado de São Paulo a retomada das obras da linha 5-Lilás do Metrô de São Paulo, em letras grandes "mesmo com a suspeita de fraude". A suporta "fraude" foi denunciada pelo jornal Folha de São Paulo após reportagem publicada, onde o conteúdo dizia que as empresas envolvidas na licitação da obra teriam formado cartel. Mesmo o Ministério público ter considerado que existia indícios de fraude entre as empresas, nunca neste meio tempo houve pedido de suspensão dos contratos.






Mas, o que alguns jornais "esquecem" de divulgar, primeiramente que essa suspeita de fraude nada têm haver com o Metrô, e sim com as empresas envolvidas. Em por último, e talvez o que realmente importa: Enquanto isso a cidade de São Paulo fica mais tempo sem ter uma linha de Metrô extremamente importante. A zona sul, onde é previsto o ramal Metroviário é a região campeã em congetionamentos e índices de poluição atmosférica. A conclusão que se tira, é que tais jornalistas estão mais preocupados com o teor político, do que o prejuízo que a capital paulista ganha. 

Governo do Estado de SP quer antecipar começo das obras da linha 6 do Metrô

O Governo do Estado de SP quer começar no segundo semestre de 2012 as obras da Linha 6 do Metrô de São Paulo, aquela mesma que esteve em discussões polêmicas nas redes sociais, após a reclamação de partes de moradores de Higienópolis, que não querem a instalação de uma estação na esquina da Avenida Angélica com a Rua Sergipe, sob a alegação de que já há uma estação muito perto deste trecho, próximo a faculdade Mackenzie.



O governador Geraldo Alckmin, ouvido pela reportagem da Jovem Pan, quer lançar o edital de licitação em até seis meses, o que permitiria o lançamento do edital de obras nos primeiros dias de 2012, sendo então antecipada, já que anteriormente foi anunciado uma previsão de começo das obras em 2013. Ele destacou que a Linha 6 é importante porque terá interligação com as linhas 1 e 4 do Metrô (nas estações São Joaquim e Higienópolis – Mackenzie, respectivamente) e com as linhas 7 e 8 da CPTM, na estação Água Branca.

Obras da Linha 5 começam em 15 dias, avisa Metrô

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) decidiu manter o polêmico contrato para o prolongamento da Linha 5-Lilás do Metrô em 11,4 quilômetros, entre o Largo 13 e a Chácara Klabin, na zona sul da cidade. E promete começar as obras em 15 dias.Uma reunião com as construtoras será feita nos próximos dias para estabelecer novo cronograma para os trabalhos, que começarão nos próximos dias com a demolição de imóveis nos terrenos já desapropriados.
O Metrô afirma que o prazo máximo de 44 meses para a conclusão das obras - janeiro de 2015 - está mantido, mas trabalha com a possibilidade de adiantar os prazos e inaugurar a obra ainda na gestão Alckmin - ou peelo menos trechos dela.


O prolongamento da Linha 5-Lilás foi interrompido em outubro, depois que o jornal Folha de S. Paulo informou que obteve o resultado da licitação com seis meses de antecedência. Foram usados como prova um documento registrado em cartório em que constavam os consórcios vencedores e um vídeo no qual essa lista foi lida.

Fonte: AE

Terminal ao lado da estação Pinheiros só será entregue em 2012

Mesmo com a conclusão da estação Pinheiros, o terminal de ônibus previsto ao lado do edifício entregue na segunda feira, nem começou a construção. A obra faz parte da revitalização do largo da batata sob responsabilidade da prefeitura. Iniciada em 2007, esta revitalização custará cerca de R$ 100 milhões. Em janeiro de 2009, Kassab vistoriou as obras no largo e disse que a entrega ocorreria em 2010. A prefeitura informou que a segunda fase da construção está em fase de licitação. Segundo a Siurb (Secretaria de Infraestrutura Urbana), a segunda etapa será iniciada no fim da licitação, em andamento, do programa de revitalização do largo da Batata, que inclui o terminal.


O Terminal de Ônibus Urbano de Pinheiros reunirá os terminais municipais e intermunicipais de ônibus existentes no Largo de Pinheiros. Trata-se de um terminal intermodal, que possuirá bicicletário e garagem subterrânea para estacionamento para 450 vagas à veículos de passeio. Terá capacidade para 160 ônibus no horário de pico em 26 linhas, e terá zonas verdes implantadas no seu entorno.  

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Metrô de SP decide avançar com as obras da linha 5-Lilás

O Metrô-SP decidiu avançar com as obras da Linha 5 – Lilás, da estação Adolfo Pinheiro até Chácara Klabin, trecho, de 10,4 quilômetros e 11 estações que vão atender os bairros de Santo Amaro, Moema, Ibirapuera e Vila Mariana. Os canteiros das obras começarão a ser instalados a partir do mês de junho. 


A Linha 5 – Lilás, quando concluída, atenderá diariamente mais de 700 mil pessoas, conectando o Capão Redondo, na zona sul, a Chácara Klabin, na Vila Mariana, com 19,8 quilômetros de extensão e 17 estações. 

A nova linha, já integrada à Linha 9 – Esmeralda da CPTM, em Santo Amaro, também fará conexão com a futura Linha 17 – Ouro (monotrilho que passará por Jabaquara, Aeroporto de Congonhas, Paraisópolis e estação São Paulo-Morumbi) e futuramente com a Linha 19 - Dutra-Água Espraiada, na estação Água Espraiada, Deve ter integração também com a Linha 1 – Azul, na estação Santa Cruz, e com a Linha 2- Verde, na estação Chácara Klabin. 


Os contratos da Linha 5- Lilás referentes aos lotes de 2 a 8, para construção das obras civis, acabamento e via permanente, assinados no dia 20 de outubro de 2010, haviam sido suspensos pelo Metrô em 8 de dezembro, após denuncias do jornal "Folha de São Paulo" sobre suspeita de fraude e formação de cartel. Diante da falta de elementos para invalidar o processo licitatório e após rigoroso processo de avaliação, o Metrô concluiu pela continuidade das obras da Linha 5, de importância significativa para toda a população de São Paulo.


Não há provas


“O contrato foi mantido na íntegra, não houve uma prova consistente do conluio”, disse Avelleda nesta quinta-feira. Segundo ele, caso o contrato fosse anulado sem provas, o Metrô ficaria sujeito ao pagamento de uma indenização. Avelleda disse que, apesar de ter encerrado as investigações por parte do Metrô, a companhia segue à disposição de outras esferas. Na época da suspensão, o Ministério Público Estadual de São Paulo instaurou inquérito civil para apurar se houve irregularidades na licitação. 


Fontes: Metrô e G1

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Linha 3-Vermelha do Metrô-SP recebe o 10º novo trem

Hoje entrou em operação o décimo trem novo da Linha 3-vermelha. A composição produzida pela CAF com a numeração "H-68" rodou no horário de vale. Com a entrega do H-68, chega a 33 o número de novos trens, 16 da Linha 2-Verde, 9 da Linha 1-Azul e 10 da Linha 3-Vermelha.



Os novos trens são mais eficientes e têm menor custo de manutenção, com motores de tração em corrente alternada que possibilita economia de energia, com regeneração energética até 30% superior a de trens convencionais. A nova tecnologia também aumenta a interface do operador com a máquina, graças a um dispositivo digital que monitora todos os equipamentos. 






Há ar condicionado em todos os vagões; o nível de ruído foi reduzido; as portas são mais largas para facilitar o embarque e desembarque; quatro câmeras de segurança internas e uma externa monitoram a operação; e os freios são antideslizantes e antiderrapantes, para garantir uma parada suave. As composições das linhas 1 e 3 possuem ainda detectores de fumaça.






Foto gentilmente cedida por Samuel Tuzi com exclusividade para o portal Via Trolebus

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Governo de SP antecipa integração da estação Pinheiros e entrega de mais 2 estações da linha 4-amarela

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, anunciou na manhã desta segunda-feira (16), durante a inauguração da Estação Pinheiros, da Linha 4-Amarela do Metrô, a antecipação da integração com a Linha 9-Esmeralda, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). A integração, que estava prevista para o dia 30 de junho, acontecerá, segundo o governador, no dia 2 de junho, com a conclusão das obras da passarela de acesso. Com isso, o usuário que desembarcar na Estação Pinheiros do Metrô poderá acessar a estação de mesmo nome da CPTM sem pagar outra tarifa. "É provável que uma semana após a integração das estações, nós consigamos estender o horário", disse o secretário Jurandir Fernandes.



O governador antecipou a integração de outras duas estações da Linha 4-Amarela – Luz e República -, que estavam previstas para dezembro. Agora, segundo Alckmin, as novas estações começarão a funcionar em outubro.


Fonte: G1 

sábado, 14 de maio de 2011

Trólebus roda pela primeira vez no Jabaquara

Na madrugada de sexta para sábado, o trólebus 7211, um Busscar Urbanuss Pluss - piso baixo da empresa Metra, foi o primeiro na história a rodar no trecho entre o terminal Diadema e o Terminal Jabaquara. 







Foram executados obras civis, montagens e serviços necessários para a instalação das redes elétricas de contato e de alimentação e estações retificadoras completas, que estão sendo testadas para estar em condições de receber os veículos trólebus para operação comercial. 


Nos próximos dias os testes devem continuar até que tudo esteja sincronizado para os trólebus rodarem até o Jabaquara.


Corredor Metropolitano


Inaugurado em 1988, é gerenciado pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU/SP, vinculada à Secretaria dos Transportes Metropolitanos, desde 1997 o sistema foi objeto de concessão e hoje é operado pela Concessionária Metra.


O Corredor ABD é efetivamente metropolitano, pois começa e termina na capital paulistana, passando por quatro outros municípios da Grande São Paulo: Mauá, Santo André, São Bernardo do Campo e Diadema.


Integra-se, ainda, com outros sistemas de transporte público em diversos pontos: ônibus municipais, ônibus metropolitanos, trens metropolitanos e metrô, desempenhando, assim, importante papel na estruturação do transporte coletivo na metrópole.


O projeto foi desenvolvido na década de 80, incorporando tecnologias então inovadoras: trólebus de última geração desenvolvidos especificamente para o empreendimento, estações de parada e terminais com novos conceitos arquitetônicos, bilhetagem magnética, etc.


Todo o trecho previa a utilização de trólebus, mas devido a descontinuidades politicas os elétricos só chegaram até o terminal Piraporinha.


Atualmente operam no corredor cerca de 230 ônibus distribuídos em 13 linhas que atendem, em média, 5 milhões de passageiros por mês. Dessa frota, 80 veículos são trólebus modernos com dispositivos para a acessibilidade: 23 são de piso baixo (low floor, 3 com piso dianteiro rebaixado (low entry), 46 Padron e 11 articulados. 


Fotos gentilmente cedidas por Rafael Asquini

Confirmou: Governo do Estado confirma entrega da Estação Pinheiros para segunda

O Governo confirmou a inauguração da estação de Pinheiros, que acontece nesta segunda-feira às 10h conforme noticiado por este portal na quinta feira. Estarão presentes o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, o presidente da Companhia do Metrô, Sérgio Avelleda, e o presidente da concessionária ViaQuatro, Luis Valença, além de outras autoridades. O horário de funcionamento da estação seguirá o padrão da Linha 4-Amarela - das 4h40 às 15h (de segunda a sexta-feira, incluindo feriados).

De acordo com o Metrô, para a construção e acabamento do projeto foram utilizados 22.320 m³ de concreto e 2.678 toneladas de aço. A previsão de demanda para esta estação é de 140.000 usuários por dia, considerando a transferência com a CPTM.

A estrutura da estação foi subdivida em sete níveis, interligados por 28 escadas rolantes, sendo eles: mezanino superior, superfície, dois mezaninos intermediários, um mezanino inferior, o nível de plataformas e o porão de cabos. O mezanino superior será o acesso para a Linha 9 – Esmeralda da CPTM através de uma passarela metálica, que será entregue no dia 30 de junho.

Para um melhor acesso, a estação conta com três bilheterias blindadas, os chamados “bloqueios inteligentes” – portas de vidro com 1,8 metros de altura – já presentes em algumas estações na capital paulista.

As plataformas possuem ainda portas de estruturas de vidro que abrem simultaneamente quando o trem estiver disponível para o embarque dos passageiros. Para o Metrô, tal sistema facilita e organiza o embarque, previne queda de objetos na via e reduz as interferências de usuários no fechamento das portas.

A integração com a linha 9-esmeralda é previsto para que seja concluída no dia 30 de Junho, já que depende da conclusão de obras por parte da CPTM. A partir daí o horário de operação deve se estender até a meia noite. Somente me dezembro a linha vai funcionar nos finais de semana com a entrega das estações República e Luz.

 Com as informações de IG, completadas por Renato Lobo - Via Trolebus

Manifestantes promovem o Churrascão para "Gente Diferênciada"

Nesta tarde de sábado, manifestantes estão em frente ao shopping Higienópolis cumprindo a promessa firmada nesta semana no Facebook: O churrascão para "gente diferênciada".
A ação é contra um grupo de moradores residentes do bairro que se posicionaram contrários a construção da Estação Angélica onde hoje funciona o supermercado Pão de Açucar, da linha 6 -laranja. A linha deve ter suas obras iniciadas em 2013 com previsão para entrega em 2017.


Para provar que esse povo diferenciado são humanos, após a manifestação está previsto uma arrecadação de alimentos e agasalhos na Pça. Buenos Aires, por voltas das 15h00.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

EMTU testa trólebus entre o Term.Piraporinha e Term. Diadema

Nesta madrugada o primeiro trolebus a rodar com 23 anos de atraso no trecho que foi recentemente eletrificado entre o Terminal Piraporinha ao Terminal Diadema, foi o Busscar nº 7301, não foi até o Terminal Jabaquara e começou a voltar as 01h38 do dia 13.05.2011, saindo definitivamente do Terminal Diadema em direção ao Cecom as 01h44. O veículo fez 2 viagens testes para a equipe de técnicos das empresas envolvidas acompanharem o desempenho do ônibus.






Nos próximos dias devem ocorrer mais testes com outros tipos de veículos. 


Com as informações de Norberto Polak, Wagner Giugliodori e Rodrigo Carvalho. Foto gentilmente cedida por Jorge Françozo

 

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Estação Pinheiros deve ser entregue na próxima segunda feira

O Governo do estado de SP deve entregar na próxima segunda feira (16) a estação Pinheiros da linha 4-amarela conforme prometido. O anúncio deve ser publicado nas próximas horas pelo Metrô. No final de Junho deve ser feita a integração com a linha 9-Esmeralda da CPTM e também a ampliação do horário de funcionamento até a meia noite. Atualmente a linha só opera das 4h40 às 15h00. Os passageiros só vão poder usar os trens no final de semana, em dezembro, quando serão entregue as 2 últimas estações da primeira fase, República e Luz.

Com a Inauguração da estação e a integração com sistema de trens metropolitanos, aumentam o número de conexões entre linhas, dando mais um passo a uma rede decente de transportes sobre trilhos. Futuramente com novas linhas como a 6-Laranja, 15-branca, e 19-marron o centro expandido da capital Paulista passa a ter uma malha mais parecida como outras redes pelo mundo. Mas é preciso que nosso país vença a Burocracia para agilizar este tipo de obra que as vezes demora anos só na aprovação do projeto. Claro que um pouco mais de vontade política de algumas esferas também ajudariam na expansão do Metrô. São Paulo gosta e precisa de transporte de alta capacidade.

Linha 6-Laranja do Metrô deve ligar Rodovia dos Bandeirantes até a Cidade Lider na zona Leste de SP

Linha 6-Laranja deve atingir 30 km de extensão 

Mesmo antes de tirar do papel o trecho entre as futuras Estações São Joaquim, no centro, e Brasilândia, na zona norte, o governo paulista já planeja praticamente duplicar a extensão da Linha 6-Laranja. O objetivo é criar prolongamentos nas duas extremidades do atual projeto. Um deles terá cerca de seis quilômetros a partir da futura Estação Brasilândia até a Rodovia dos Bandeirantes, onde haverá um grande pátio de estacionamento para quem mora em outras cidades e trabalham na capital.

Inicialmente, o prolongamento nessa extremidade seria apenas até o futuro centro de eventos que a Prefeitura pretende construir na região de Pirituba. Antigamente pensado para abrigar o estádio Piritubão, que não saiu do papel, o local agora pode receber a Expo 2020.

O projeto de expansão prevê entre quatro e cinco estações a partir da Estação Brasilândia. Uma ficará próxima ao futuro centro de eventos, outra fará ligação com a Linha 7-Rubi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) na Estação Vila Clarice. A última será às margens da Rodovia dos Bandeirantes. O objetivo é desafogar a chegada à capital, já que pessoas da região de Campinas, por exemplo, poderiam estacionar seus carros ou descer do ônibus fretado para pegar o metrô. "Será um serviço para quem quiser metrô sem que seja preciso entrar na cidade de São Paulo para acessá-lo", diz o secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes. Esse prolongamento também beneficiaria um terceiro aeroporto na região de Caieiras, caso o projeto saia do papel.

Na outra extremidade, os estudos do Metrô preveem que a linha passe o atual limite na Estação São Joaquim para chegar até Cidade Líder e Jardim Marília, na zona leste. Haveria aproximadamente 10 quilômetros nesse trecho do ramal, que passaria ainda pela Mooca e teria uma ligação na Estação Anália Franco, da futura Linha 15-Branca. "Tem um vazio bastante importante de linhas nessa região, que pretendemos preencher com a ligação até Cidade Líder. Essa linha tem um potencial para 30 km. Em um primeiro momento vamos fazer 15 km e depois dobrar", diz Fernandes.


Fonte: Estadão 

Metrô divulga nota depois da polêmica envolvendo a estação Angélica da Linha 6-Laranja

Sobre o projeto da futura Linha 6-Laranja (Brasilândia-São Joaquim), o Metrô esclarece que:

1. Visando melhor equilíbrio do projeto da futura Linha 6-Laranja, a Companhia está reavaliando a localização da futura Estação Angélica, em razão dela estar a apenas 610 m da futura Estação Higienópolis-Mackenzie e a 1.500m da futura Estação PUC-Cardoso de Almeida.

2. Essa reavaliação tem caráter exclusivamente técnico, em nada motivada por pressão dos moradores da região de Higienópolis, a favor ou contra a estação.

3. No momento, a área técnica do Metrô estuda a melhor localização de uma nova estação que atenda à FAAP, Av. Angélica, Praça Vilaboim e Estádio do Pacaembu.

4. A definição da nova localização depende da conclusão de estudos geotécnicos e do melhor posicionamento para a implantação da obra, de forma a causar o menor impacto na região.

5. Essa definição constará no projeto básico da futura Linha 6-Laranja, cuja conclusão será no final deste ano.

6. A futura Linha 6-Laranja, com 13,5 km e 14 estações, deverá transportar cerca de 638 mil passageiros por dia. A linha fará integração com as linhas 1-Azul e 4-Amarela do Metrô e com a Linha 7-Rubi da CPTM. 

quarta-feira, 11 de maio de 2011

"Estação continuará em Higienópolis", diz presidente do Metrô

O presidente do Metrô, Sergio Avelleda, afirmou que estação Angélica da futura linha 6 - Laranja não ficará em frente ao estádio do Pacaembu, mas que será construída em algum ponto “entre a praça Charles Miller e a Avenida Angélica”. Ou seja, dentro de Higienópolis.
Segundo Avelleda, a mudança do local da estação, anunciada nesta quarta (11) pelo jornal "Folha de S.Paulo", não foi motivada pelo abaixo-assinado dos 3.500 moradores do bairro contrários à obra. "Foi por razões de ordem técnica", diz. De acordo com o presidente da companhia, extremidades das plataformas das estações Angélica e Mackenzie (esta última, da linha 4-Amarela) ficariam a apenas 500 metros uma da outra, o que causaria congestionamentos de trens e transtorno aos usuários.


“O que buscamos agora é um equilíbrio de velocidade e uma localização que atenda a dois bolsões: o da Faap e o da Avenida Angélica. Também queremos que a estação fique mais próxima da estação da PUC. Se a colocarmos no Pacaembu ficará um buraco. Nós fazemos metrô para toda a cidade”, afirma o presidente.
Agora, o Metrô estudará terrenos e perfis geológicos compatíveis para a instalação da nova estação, ainda no chamado “miolo” do bairro. Avelleda diz ainda que essa mudança não afetará a atratividade de passageiros, que, segundo pesquisa da companhia, será de 25.000 pessoas por dia. “Podemos atender a esse público sem necessariamente estar na esquina da Angélica. Mas haverá, sim, uma estação no meio do bairro.”


Gente diferenciada

A mudança na localização da estação Angélica provocou polêmica nas redes sociais. Indignados com o possível lobby dos moradores contra a obra (negado pelo Metrô), mais de 11.000 internautas se mobilizaram no Facebook para organizar o Churrascão da Gente Diferenciada, marcado para sábado em frente ao shopping Higienópolis.






No Twitter, o jargão “gente diferenciada” chegou ao topo dos Trending Topics (assuntos mais comentados). A expressão foi dita ao jornal "Folha de S. Paulo" por uma psicóloga, no ano passado, quando começou o movimento contrário à estação. “Não uso metrô e não usaria. Isso vai acabar com a tradição do bairro. Você já viu o tipo de gente que fica ao redor das estações do metrô? Drogados, mendigos, uma gente diferenciada…”
Fonte: Veja

terça-feira, 10 de maio de 2011

Via Trolebus traz detalhes da nova linha 6-Laranja do Metrô-SP

Trens sem condutores, portas de plataformas continuam...


Na primeira semana de maio o Metrô realizou uma audiência pública para apresentar à população detalhe da futura Linha 6 - laranja, que inicialmente vai ligar o bairro da Brasilândia a estação São Joaquim da linha 1-azul totalizando 15,3 km que vai transportar 638.000 passageiros por dia. Toda está extensão será subterrânea.


Via permanente e CBTC


A grande novidade é a volta do terceiro trilho que alimenta as composições, usadas nas linhas 1, 2, 3 do Metrô.  A bitóla (largura dos trilhos) será de 1435mm, igual das linhas 4 e 5, que é conhecida por "padrão internacional". O Metrô prioriza começou a priorizar este tipo de trilho para facilitar a aquisição de material, já que o padrão internacional é mais facilmente encontrado para compra.  É previsto o uso do CBTC, e o intervalo médio entre os trens será de 75 segundos.


Trens


Estão previstos 29 trens para o trecho, com o sistema driveless, ou seja, sem condutores, composições de 6 carros com passagem livre entre eles. capacidade nominal de 1650 passageiros, e um nível de conforto de 6 passageiros em pé/m2. Mas será mesmo que só vai ter este número de pessoas?
Ar condicionado, câmeras de vigilância, sistemas de detecção de incêndio também são previstos nas composições.






Nas estações


Escadas rolantes inteligentes que ajustam a velocidade de acordo com o fluxo de usuários. As portas plataformas continuam na linha 6. A arquitetura das estações também devem priorizar a iluminação natural visando economia de energia. Os bloqueios serão de vidro, iguais as novas estações da linha 2 e 4.






Estação Angélica de Fora


Moradores que não gostam de Metrô e que gostam de trânsito vão ficar felizes. A estação Angélica está de fora do projeto e volta a estação Pacaembu. Fontes disseram que após análise do distânciamento entre as estações e os pontos a serem atendidos, o Metrô considerou melhor retomar a estação Pacaembu, que está entre  as estações Cardoso de Almeida e Higienópolis, além de estar em um local com mais dificuldade de acesso por conta da topografia. 

Fonte: http://www.metro.sp.gov.br/expansao/linha6/aud_linha_6_final.pdf