quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Presidente do Metrô concede entrevista ao portal Via Trolebus



O Metrô de São Paulo completou 37 anos de operação nesta quarta feira. No ano de 1974, foi realizada a primeira viagem de uma composição metroviária no Brasil, no primeiro trecho em funcionamento da Linha 1-Azul, com 6,5 quilômetros de extensão na época, entre as estações Jabaquara e Vila Mariana. No início da sua operação comercial, os trens funcionavam de segunda a sexta-feira, das 9 às 13 horas, e fechava ao público nos fins de semana. Na época, a média diária de passageiros era de apenas 2.858 pessoas. Atualmente, o Metrô é responsável pelo transporte de cerca de 4 milhões de usuários por dia.


39 anos, advogado, presidente da Companhia desde 12 de Janeiro de 2010, Sérgio Avelleda aceitou responder algumas questões sobre a expansão do Metrô ao Portal Via Trolebus. Aí vão elas:


VT: Em algumas cidades do mundo, o sistema de Metrô funciona 24 horas por dia. Isso é possível em São Paulo?

Avelleda: Não. O período em que as estações ficam fechadas é importante para a realização dos serviços de limpeza, manutenção preventiva e corretiva das vias, trens e equipamentos, além de testes, inspeções e treinamentos operacionais, imprescindíveis para o próprio funcionamento do sistema. Com a extensão do horário de operação, o tempo para efetuar a manutenção necessária seria insuficiente, com consequente risco de comprometimento da segurança operacional. Vale que o Metrô de São Paulo é um dos metrôs com operação comercial mais ampla comparando-se a outros metrôs do mundo, sendo que apenas o metrô de Nova Iorque funciona ininterruptamente, em razão de possuir vias duplas, que permitem manutenção diurna.


VT: Já estão em operação 2 trens que foram modernizados na linha 3 - vermelha. Existe prazo para mais trens reformados entrarem em operação? Existe algum prazo para que todos os 98 trens estejam reformados?

Avelleda: Sim. Na linha 3 – Vermelha já estão em operação 2 trens que foram modernizados. Outros 96 trens das frotas originais das linhas 1- Azul e 3 – Vermelha (51 para a Linha 1 – Azul e 45 para a Linha 3 – Vermelha) estarão em operação até o final de 2014.



VT: O Metrô está instalando um novo sistema de sinalização e controle de trens, o CBTC, que vai diminuir o intervalo dos trens. Existe prazo para que o trabalho seja concluído nas linhas 1- Azul, 2- Verde e 3- Vermelha?

Avelleda: Sim. O CBTC está em instalação. O prazo para conclusão da troca na Linha 2 – Verde é até o final de 2011.  Nas linhas 1 – Azul e 3 – Vermelha esse sistema estará em operação até o final de 2013.

VT: Na Linha 4 – Amarela, neste mês de setembro, mais duas estações serão abertas: Luz e República. Haverá aumento de passageiros na Linha 2 – Verde? Como que o Metrô ira lidar com essa nova situação?

Avelleda: A abertura das estações Luz e República, nesse dia 15 de setembro, irá diminuir a demanda na Linha 2 – Verde porque os usuários da Linha 4- Amarela, inclusive os que se utilizam da integração com a CPTM na Estação Pinheiros, poderão chegar mais facilmente à região central de São Paulo.

VT: Existe previsão para a construção da Linha 15 - Branca? Existem rumores nas redes sociais que o terminal da linha não seria mais em Tiquatira, e sim avançaria cruzando o Rio Tietê.

Avelleda: O Metrô já está realizando sondagens para a caracterização do subsolo em áreas que deverão ser usadas para a futura construção da Linha 15-Branca, ligação entra a Vila Prudente, na capital, e Dutra, divisa com o município de Guarulhos"




Atualmente, as prospecções no solo estão sendo realizadas em Vila Prudente, Mooca, Aricanduva e Penha. O objetivo dessas perfurações é conhecer a geologia do subsolo para o desenvolvimento dos projetos.


A linha, que terá 13,5 quilômetros de extensão e será intermunicipal, pois contará com duas estações no município de Guarulhos, atenderá os bairros paulistas Jardim Anália Franco, Vila Formosa, Vila Manchester, Aricanduva, Penha e Tiquatira.


VT: A Linha 4 - Amarela foi a primeira linha de metrô a ser operar por uma concessionária. Que análise pode ser feita sobre essa parceria?

Avelleda: A Linha 4- Amarela, que é chamada “linha da integração”, pois permite conexão com outras linhas de metrô e trem, transporta atualmente com eficácia mais de 200 mil usuários por dia, em média. Futuras parcerias ente o Poder Público e a iniciativa privada favorecerão a ampliação mais rápida da malha metroviária.


 VT: A Linha 6 - Laranja pode ter as obras iniciadas até o ano que vêm no trecho entre Brasilândia e São Joaquim. Existe previsão para inicio das obras dos outros trechos, até a Bandeirantes a Oeste, e a leste até a Cidade Lider?

Avelleda: Segundo técnicos do Metrô, o início das obras de implantação da Linha 6 - Laranja está prevista para o quarto trimestre de 2012 (Trecho Brasilândia - São Joaquim). As mesmas previsões indicam que no segundo semestre de 2014 serão iniciadas as obras no trecho São Joaquim - Cidade Líder e para 2015 o início das obras no trecho Brasilândia – Bandeirantes.


 VT: Foi anunciada uma ligação metroviária entre a Lapa e Moema. Que linha seria essa?


Avelleda: Nos planos de expansão futura da rede metroviária, com horizonte além do ano 2020, está prevista uma ligação entre os importantes subcentros da Lapa, Pinheiros e Moema, integrando-se com a Linha 2 - Verde em uma futura Estação Cerro Corá, com a Linha 4 - Amarela na Estação Faria Lima e com a Linha 5 - Lilás na futura Estação Moema.


 VT: As estações em obras da Linha 5 - Lilás, com exceção da Adolfo Pinheiro, serão entregues juntas em 2015, ou alguma poderá ser antecipada?

Avelleda: A futura Estação Adolfo Pinheiro será entregue em 2013. Outras dez estações da expansão da Linha 5- Lilás, entre o Largo Treze e Chácara Klabin (Adolfo Pinheiro, Alto da Boa Vista, Borba Gato, Brooklin-Campo Belo, Água Espraiada, Ibirapuera, Moema, Servidor, Vila Clementino, Santa Cruz e Chácara Klabin) têm previsão de entrega em 2015. Quando concluída a expansão, a linha terá 20 km de extensão e 17 estações e a  demanda de passageiros/dia estimada para essa configuração é de 644 mil. Em relação às outras linhas metroviárias, a Linha 5- Lilás se integrará a Linha 1- Azul na Estação Santa Cruz, se integrará a Linha 2- Verde na Estação Chácara Klabin e com a futura Linha 17- Ouro na futura Estação Água Espraiada.   




  
VT: Existe uma previsão de início das obras de prolongamento da Linha 4- Amarela da Vila Sônia até o município de Taboão da Serra?

 Avelleda: A previsão é iniciar as obras dessa extensão depois de 2015 com previsão de operação em 2019.


VT: Quando o prolongamento em monotrilho a Linha 2- Verde chegará até o Hospital Cidade Tiradentes?

 Avelleda: Em 2016.

VT: Quais as previsões para início das obras e operação da Linha 17- Ouro?

Avelleda: A construção dessa linha deve ser iniciada em dezembro próximo e o primeiro trecho, ligando o aeroporto de Congonhas até a Estação Morumbi da Linha 9- Esmeralda da CPTM, será entregue em 2014.


VT: E a previsão para início das obras da Linha 16 - Prata?

Avelleda: A Linha 16 – Prata não consta mais no programa de investimentos do Metrô.


 VT: E a previsão para início das obras da Linha 18- Bronze?

 Avelleda: A previsão é que obras comecem no segundo semestre de 2013. Segundo técnicos do Metrô, a previsão é que a linha entre em operação em 2016.


7 comentários:

  1. Boa reportagem. Esclarece pontos importantes e considera a demanda da Zona Leste.

    Decepciona o prazo de entrega da Metro 4 Amarela em Taboão da Serra 2019 e a não consideração da extensão ao Rodoanel para atender usuários que não precisariam da Raposo Tavares e Regis Bittencourt para entrar em São Paulo.

    Surpreende a omissão da região da M´Boi Mirim, talvez a mais carente de Metro da RMSP.

    Permanece a sensação de prazos de entrega excessivamente longos. Tomara que possa haver uma reação.

    ResponderExcluir
  2. Metro tinha que botar empreiteiras estrangeiras para construir Metro em SP. Pra gnte ver se estes prazos intermináveis são verdadeiros mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Renato pela reportagem muito esclarecedora e que levanta as questões e obras pontualmete, o que nos falta na imprensa, que ainda não sabe falar direito de transportoes, em sua maioria.
    Foi uma satisfação divulgar este seu excelente trabalho no Blog Ponto de Ônibus

    ResponderExcluir
  4. Eu que agradeço pela divulgação Adamo...sinto muita satisfação em ter você como parceiro...

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  5. José Marques de Oliveira Filho16 de setembro de 2011 15:37

    Mesmo com estes longos prazos do Metro se torna visivel a falta de Planejamento (ou responsabilidade), pois o Impacto deste Sistema sobre o Sistema de Onibus, na região do Butantã, é um Absurdo.

    ResponderExcluir
  6. Caro Renato
    Parabéns pela iniciativa que só faz crescer a importância e qualidade do Blog.

    Gostaria muitíssimo que você "repetisse a dose" com os presidentes da SPTRANS e CPTM. Chave de ouro seria entrevistar um grande urbanista ou especialista em transporte urbano coletivo.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Luiz,

    Estamos em negociações para realizar estas entrevistas...mas sou sincero em dizer que algumas destas autoridades, principalmente sua equipe, muitas vezes não dão a devida atenção aos blogs e sites independentes, como o nosso.

    Isto não vale para o Avelleda, que se mostrou muito disposto em responder as questões.

    Estamos caminhando para tornar o Via Trolebus, um site de verdade. Espero na próxima semana conseguir concretizar isto.

    Muito Obrigado Luiz pelos constantes comentários seus feitos no blog, sempre muito rico em conhecimento no setor.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir